18 de maio de 2021

Juros de financiamentos bancários voltam a subir em dezembro

Os juros dos financiamentos bancários interromperam uma sequência de oito baixas mensais consecutivas para voltar a subir, em dezembro. A expansão se deu em todas as linhas de crédito, para pessoas físicas e jurídicas, conforme a Anefac (Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade). Na análise da entidade, diante da volatilidade do cenário econômico atual, os próximos meses reservam novas altas.

Os juros para pessoas físicas avançaram 0,91% e foram a 5,56% ao mês – o maior valor desde agosto de 2020. O acréscimo para as pessoas jurídicas foi bem maior e chegou a 1,41%, reposicionando o custo do empréstimo em 2,87% mensais – o patamar mais elevado desde setembro do ano passado. As respectivas taxas anuais ficaram em 91,42% e 40,43%. 

Embaladas pelas medidas do Banco Central para afrouxar o crédito e evitar uma depressão econômica no contexto da pandemia – através dos cortes gradativos da Selic e da liberação contínua dos empréstimos compulsórios bancários –, os juros bancários haviam registrado quedas mensais seguidas, entre março e novembro. Em dezembro, o BC manteve a Selic intacta, mas deixou aberta a porta para a retomada das altas, além de começar a retirar os compulsórios.  

Para o vice-presidente de estudos e pesquisas da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, o repique no crédito bancário pode ser atribuído ao aumento dos juros futuros no mercado financeiro, assim como a expectativas de novas elevações da Selic frente a uma inflação maior. Vale notar que o IPCA encerrou 2020 com alta de 4,52%, passando do centro da meta do BC e registrando o maior índice desde 2016. Outro fator que explicaria as elevações, conforme o dirigente, seria uma provável subida nos índices de inadimplência.

“Essa provável inadimplência pode ocorrer por causa do fim das carências nos empréstimos (pausas e carência nas negociações de dívidas); ao desemprego elevado que acontece no Brasil; ao fim do pagamento dos auxílios emergenciais (feitos pelo governo); ao aumento da inflação e seus efeitos na renda, e, por fim, à maior seletividade dos bancos na concessão de crédito”, apontou Oliveira, em texto divulgado pela assessoria e imprensa da entidade.

Tendo em vista a piora do cenário, o dirigente avalia que a tendência dos próximos meses é de novas altas nas taxas. “Mas, algumas ações do Banco Central [e do governo federal] podem amenizar estas altas, como redução de impostos, compulsórios e reduções da Taxa Básica de Juros”, amenizou.

O BC ainda não divulgou seus índices de dezembro, mas as taxas de inadimplência nas operações de crédito do SFN (Sistema Financeiro Nacional no Amazonas) apareciam descendentes na média brasileira, em novembro. A mesma base de dados do BC indica que o saldo das operações de crédito do SFN seguiu crescente, no mesmo período.

Estímulos e vacinas

O presidente do Corecon-AM (Conselho Regional de Economia do Estado do Amazonas), Martinho Luiz Gonçalves Azevedo, concorda que o viés de alta do IPCA – impactado também pela volatilidade do câmbio –, as dúvidas do mercado sobre a capacidade governamental de lidar com o déficit fiscal, e a necessidade de não deixar a economia entrar em depressão contribuem para o encarecimento do crédito. O economista, entretanto, cita outros fatores que podem dar mais confiança ao mercado e aplacar novas altas. 

“O consumidor fica na dúvida se vai perder o emprego e as empresas, que já estão com capacidades reduzidas, ficam apreensivas se devem investir ou não. Mas, o mercado de crédito é impactado também pela economia norte-americana e o governo Biden sinaliza um pacote de estímulo que pode injetar capital na economia global. Ao mesmo tempo, já temos vacinas para a covid-19, o que abre perspectivas melhores do que 2020. Posso dizer que nosso escritório tem recebido demandas, acreditando em um cenário melhor”, concluiu.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email