José Ricardo propõe mudanças para o PPB dos tablets

Com o objetivo de proporcionar à Zona Franca de Manaus mecanismos capazes de atrair o maior número possível de empresas dispostas a produzir tablets no Estado do Amazonas, o deputado José Ricardo (PT) está encaminhando propositura ao Ministério da Ciência e Tecnologia e ao Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior sugerindo alterações no PPB-Processo Produtivo Básico. Segundo ele, a bancada federal do Estado no Congresso Nacional deverá ajudar no processo de encaminhamento político da propositura, a fim de dinamizar no PIM a produção de componentes dos bens de informática observados na Medida Provisória 534.
“Nós temos condições de fabricar produtos que compõem o tablets, por exemplo, placa de circuito impresso, placa mãe, carregadores de bateria, podemos fazer injeção plástica, etc, e o PPB exige alguns desses itens, mas só que a partir de 2012, 2013, num percentual que não chega a cem por cento”, explica, sustentando que seu objetivo é alterar o PPB para que a fabricação desses itens passe a ser considerada obrigatória no Brasil – e em Manaus – ainda em 2011. “Manaus tem todas as condições de fabricar a placa mãe e o PPB tem que ser adequado a essa realidade tecnológica e produtiva de Manaus”, afirma, garantindo que por enquanto não há nenhuma empresa fabricante de placa mãe e outros componentes de tablets instalada no parque industrial do Estado de São Paulo. “Nós não podemos é dormir e esperar que os paulistas ganhem isso da gente”, alerta.
José Ricardo diz ser importante a sua propositura contar com o aval dos três senadores e dos oito deputados federais que representam o Amazonas no Congresso para intermediarem a luta junto ao Ministério da Ciência e Tecnologia e ao Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, responsáveis pela fixação do PPB.
Ele também dirigirá a sua propositura à Suframa-Superintendência da Zona Franca de Manaus com a finalidade de engajá-la no processo de articulações para sensibilizar os ministros Aloizio Mercadante e Fernando Pimentel.
Para o deputado petista, o engajamento da Suframa, juntamente com a bancada federal do Estado, é necessário para que a correlação de forças políticas seja favorável ao Amazonas, lembrando ao Palácio do Planalto o cumprimento de promessas feitas durante a campanha política de 2010 quando a então candidata à Presidência da República, Dilma Rousseff, pregava a descentralização da economia como forma de diminuir as desigualdades regionais e frear a disputa fiscal entre os Estados. “Logo, favorecimento para a implantação de algumas indústrias no PIM não é favor, mas uma necessidade para o Brasil, que precisa de um processo de desenvolvimento uniforme, isso é estratégico para o país”, finaliza.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email