21 de abril de 2021

Já é Natal neste fim de semana em Manaus

Neste fim de semana, o público vai contar com uma programação temática no Teatro Amazonas e no Centro Cultural dos Povos da Amazônia. O acesso é gratuito, no entanto, com público reduzido, com metade da capacidade, em cumprimento aos protocolos de segurança para prevenção da Covid-19.

No sábado (12), o Largo de São Sebastião também recebe a tradicional árvore de Natal, com iluminação a partir das 18h.

No Teatro Amazonas, o espetáculo “A Caixa Mágica do Natal” vai ser apresentado no sábado (12), às 11h e 20h, e no domingo (13), às 11h e 19h. O agendamento pode ser feito por meio do Portal da Cultura (cultura.am.gov.br) e Teatro Amazonas (teatroamazonas.com.br).

Em 1h20 de duração e embalado por uma trilha sonora com clássicos de Natal e referências pop, o espetáculo faz uma viagem lúdica pelo universo natalino. A nova montagem do espetáculo conta com a Amazonas Filarmônica e Coral do Amazonas, Corpo de Dança do Amazonas, Balé Folclórico do Amazonas e Coral Infantil do Liceu Cláudio Santoro em formações reduzidas. A direção musical é do maestro Marcelo de Jesus.

Já no Centro Cultural dos Povos da Amazônia, localizado na avenida Silves, 2.222, Distrito Industrial I, a Villa Natal 2020 oferece várias atrações, como a fábrica de brinquedos, castelo das princesas, casa de doce, praça dos bonecos de neve e a Casa do Papai Noel, além de uma praça de alimentação. As atividades acontecem todos os dias, das 16h às 22h. 

A entrada do evento, que conta com apoio do Governo do Amazonas, é gratuita, mas algumas atrações têm venda de ingressos, como a Casa do Papai Noel.

‘Quem é você na fila do pão?’ 

Um talk show conduzido pela personagem “Filó, a Básica”, interpretada pelo ator, diretor e produtor cultural Paulo Queiroz, vai apresentar ao público 11 artistas da cena cultural amazonense em entrevistas online nas redes sociais. Esse é o projeto “Quem é você na fila do pão? – Edição Norte-Sul/Leste-Oeste”, desenvolvido por Paulo Queiroz, com produção da atriz e diretora Narda Telles. 

Queiroz selecionou os entrevistados com base em critérios como: ser artista, desenvolver atividades culturais relevantes, não ter ainda visibilidade na mídia para si ou para a atividade que desenvolve e ser oriundo de bairros populosos das zonas Norte, Sul, Leste e Oeste, de áreas não privilegiadas, e, prioritariamente, pessoas negras, mulheres, indígenas e pessoas LGBTQI+. Os artistas selecionados correspondem aos segmentos artísticos de artes visuais, audiovisual, cultura infância, dança, espaços culturais, hip-hop, literatura, manifestações culturais, música, teatro e circo.

Os selecionados são a bailarina e coreógrafa Mara Pacheco, coordenadora do Espaço Cultural Uatê; a cantora Wendy Lady Oha; a artista de rua Teffy Rojas; a cronista e poetisa Rayane Lacerda; a B-Girl Vivi; a bailarina, performer e professora Priscilla Espíndola; a professora e presidente da Quadrilha Tradicional Mirim Brotinhos do Amanhã, Idemar Vale; o professor indígena, ativista e fundador-presidente da Associação Indígena Karapãna (Assika), Joilson Paulino, ou Kay Vau Massame; o precursor do Escangalho Cultural, Jonavegante; e o ator Remy Sampaio. As entrevistas serão disponibilizadas online nas plataformas digitais nos próximos dias, ao longo do mês de dezembro. Os links serão divulgados pela coordenação do projeto.

Portas abertas nos centros culturais

Os espaços culturais administrados pelo Governo do Estado estão abertos para atender projetos contemplados pelos editais Prêmio Feliciano Lana e Prêmio Manaus de Conexões Culturais, da lei nº 14.017/2020, conhecida como Lei Aldir Blanc. Entre os equipamentos disponíveis estão os centros culturais Palácio da Justiça, Povos da Amazônia, Palácio Rio Negro e Usina Chaminé, Teatro da Instalação, Cineteatro Guarany, Palacete Provincial, Casa das Artes e Galeria do Largo.

O Povos da Amazônia também vai sediar, no dia 19, às 19h, o lançamento do filme “Entre Nós”, com texto e direção de Arnaldo Barreto. A classificação indicativa é para 16 anos.

Já o Cineteatro Guarany foi palco do Circuito de Música Instrumental Manauara, com Abner Viana Sexteto e participação de Jander Manauara, enquanto o Teatro da Instalação recebeu os espetáculos “Eczema” e “Ano 5”, da Companhia Storge. A Usina Chaminé foi palco para o projeto “Leituras Dramáticas da peça Constance, a cantora de depois de depois do fim do mundo e o submarino do Rio das Sombras”.

EM CARTAZ

Cartaz 1 – 

12 DEZ 2020 – 14h: Oficina “Imersão Sodade”

A oficina denominada “Imersão Sodade” tem como objetivo apresentar procedimentos e exercícios realizados no decorrer da criação do espetáculo “Sodade”, visando a aproximação do público com parte do processo criativo da obra. 

CARTAZ 2 – 

12 DEZ 2020 – 15h: Exposição ‘O tradicional e o moderno na indumentária japonesa do Século XXI’

A exposição “O tradicional e o moderno na indumentária japonesa do Século XXI”, da artista Paola Honda Castro, conta com dez quadros com imagens de personagens autorais, expressando algumas vestimentas atuais, utilizadas no Japão.

WEB +

Lançamento: 

  • Taylor Swift lança Evermore, seu 2º álbum de 2020

Ela salvou 2020! Taylor Swift lançou, de madrugada, o seu segundo álbum surpresa do ano: “Evermore”, que a cantora definiu como um “disco-irmão” do “Folklore”, liberado para os fãs em julho. Parcerias com HAIM, The National e Bon Iver estão no cardápio desta vez.

Assim como o “Folklore” chegou junto com o vídeo de “Cardigan”, o novo registro de estúdio veio acompanhado do clipe de “Willow”, que pode ser visto no YouTube oficial de Taylor. 

É um verdadeiro passeio pela imaginação. É como se abríssemos a porta do guarda-roupas para Nárnia. Só que, desta vez, estamos abrindo as portas da imaginação de uma das maiores artistas desta geração. Vale a pena ouvir.

Série #destaque

  • AmarELO de Emicida

Poesia, música, registros, revelações, sonhos, manifesto, referências, reverências, gentileza e amor… muito amor. Tem tudo de coisas boas neste documentário musical produzido pelo rapper Emicida para a Netflix. A peça é, ao mesmo tempo, uma brisa suave de amor sendo soprada para dentro de um buraco fétido e escuro que é a sociedade racista. 

Ao mesmo tempo em que Emicida canta frases poéticas e clama por união, ele passa um recado claro de que o racismo não será mais tolerado e que, daqui para a frente, a resistência não apenas discursará, mas ocupará lugares. Todos concordam: “Ano passado eu morri. Mas, esse ano eu não morro!” – esse é o papo dado.

No palco, ele divide sua revolta (bem apessoada de palavras) com outras figuras consideradas pela sociedade como periféricas. Do palco, ele reverencia personagens históricos. Para o palco ele destina vigorosas e belas canções com rimas em diversos tons, mas, principalmente com a energia vibrante da junção do amar com o elo que quer criar. E a mensagem é bem-vinda: AmarElo – é tudo pra ontem! E que seja!

É meme:

  • Deise do tombo

Imagina beber umas a mais e, ao voltar para casa, levar um tombo homérico, viralizar na internet, ganhar mais de 200 mil seguidores nas redes sociais do dia para a noite e ainda ajudar uma pessoa doente? Enredo improvável, mas que nunca vai ser esquecido pela Deise Gouveia. 

Tendências /Hashtags

  • Os assuntos que tomaram conta da timeline foram:

1 #nãoaoracismo: Mais um episódio de racismo no futebol revoltou o mundo

2 #taylor – cantora lançou mais um disco surpresa e quebrou a internet

3 #Abin – Órgão de inteligência nacional vaza informações para proteger F. Bolsonaro

4 #amamata – Produtora paga pelo Planalto trabalha de graça para filho de Bolsonaro

5 #Shakespeare – Homem chamado William Shakespeare foi um dos primeiros a receber vacina no Reino Unido

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email