Investidor quer retorno alto sem riscos, apura pesquisa

Se não quiserem correr riscos, os investidores brasileiros terão de se adaptar à nova realidade do país, de menores retornos financeiros. A opinião é do diretor e responsável pela Franklin Templeton Investments no Brasil, Heitor de Souza Lima, ao analisar a Pesquisa Global de Opinião dos Investidores feita pela empresa. “Diante de um novo panorama de juros baixos, o brasileiro vai viver um dilema: ou aumenta os riscos ou reduz a expectativa de retorno.”
De acordo com o levantamento, o brasileiro tem uma das maiores expectativas de retorno do mundo mas é um dos menos propensos a ter perda nas aplicações: 48% dos investidores do país esperam obter retorno entre 5% e 15%, o que Lima classifica de “número relevante”. Outros 30% acreditam que obterão um retorno de 15% a 25%. “Esse retorno alto é muito advindo do que o País teve nos últimos anos, porém é uma situação que não vai se repetir daqui para frente.”
Há, no entanto, outro dado relevante no estudo. São poucos os brasileiros investidores. O resultado aponta que 33% dos brasileiros não têm qualquer tipo de investimento, 29% têm imóveis e 7,7% investem em renda variável. “Com esse aumento da classe C, você começa a ter pessoas preocupadas com suas aposentadorias, por exemplo. Tudo isso parte do aumento da renda da população e houve um inequívoco avanço nesse aspecto.” afirmou Lima.
Lima observou que a importância que o investidor brasileiro dá é para o retorno garantido, ou seja, não está disposto a perder dinheiro. “Isso acontece porque, até hoje, o investidor brasileiro tem surfado essa onda de juros reais altos e conseguia ter um retorno bem razoável, com pouquíssimo risco.”
O panorama do país está mudando e os investidores precisam adaptar suas expectativas. “Os juros tendem a ser certamente mais baixos do que foram no passado. Os retornos também serão menores. A própria poupança, que dava o retorno sem risco, já não dá mais o mesmo retorno”, afirmou o executivo.

Otimismo

Na pesquisa, 22% dos aplicadores brasileiros se declararam extremamente otimistas, 23% muito otimistas, 18% otimistas, 26% neutros e 6% um pouco pessimistas em relação à perspectiva econômica do País nos próximos três anos. “O brasileiro é um dos mais otimistas, muito por conta da boa performance da economia brasileira dos últimos anos. E é natural que o investidor na Europa, por exemplo, seja mais pessimista que o do Brasil”, disse Lima.
A pesquisa da Franklin Templeton apontou ainda que os brasileiros não se entusiasmam tanto com o investimento internacional.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email