Invasões não serão admitidas, diz Ministro

Em entrevista à Folha de S. Paulo, o novo ministro do Desenvolvimento Agrário, o petista Afonso Florence, 50, disse que o governo Dilma Rousseff não tem como “defender” invasão de propriedades rurais produtivas. Segundo ele, porém, o diálogo com os sem-terra será “mantido e aperfeiçoado” a partir de agora. “Os movimentos são vistos como aliados nossos. E é verdade, é justo, é correto”.
Natural de Salvador e formado em história pela Universidade Federal da Bahia, Florence afirma que sua principal prioridade no cargo será o combate à pobreza no campo, fazendo eco à meta de erradicação da miséria proposta pela presidente.
Florence assumiu ontem no lugar de Guilherme Cassel, petista do RS.
Segundo o ministro, a prioridade do ministério será o combate à pobreza no campo. Ele cita os créditos do Pronaf (programa de créditos para assentados e agricultores familiares) como um caminho. “Vamos dar continuidade [aos atuais programas do ministério], agora com a ênfase dada pela presidente no combate à pobreza. Combater a pobreza no campo, intensificando os programas”.
“O Brasil ainda é um país com grande concentração de terra. Nós precisamos modernizar o campo. Ampliar o crédito, ampliar a assistência técnica, produzir mais alimentos”, disse o ministro. Segundo ele, a reforma agrária é “necessária” no país. “A reforma agrária é um projeto de Brasil includente. Ela é necessária e continua a ser necessária. Os resultados da agricultura familiar mostram isso”.
O novo ministro diz que pretende utilizar todos os mecanismos disponíveis para obtenção de terra para a criação de assentamentos, como desapropriação, compra e venda e arrecadação de terras públicas. Os sem-terra cobram o uso da desapropriação, como uma forma de punir as propriedades rurais improdutivas. “Vai depender da oportunidade e também da tramitação [que passa pelo Judiciário]”.
Florence ainda não definiu metas de assentamentos para os próximos anos.
Com relação às invasões de terra, o tema divide a base do governo, com parte dos aliados favorável às formas de pressão dos sem-terra de um lado e PMDB e PP, por exemplo, do lado dos fazendeiros vítimas das invasões. Sobre isso, Florence não quis polemizar. “Pretendo lidar [diante das invasões de terra] respeitando a democracia, dialogando com os movimentos e fazendo a reforma agrária na forma da lei”.
Sobre uma possível pressão dos sem-terra, o novo ministro disse: “Buscaremos ampliar, aprofundar e acelerar o processo de reforma agrária”, mas “a nossa posição é de governo, e o governo não pode ter posição de defender a ocupação de terra produtiva”.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email