Inpa avalia produção de látex em várzeas

O Estado do Amazonas já foi o maior produtor de borracha no mundo no século passado. Atualmente, Tailândia e Indonésia são responsáveis pela produção mundial. O látex é utilizado para produção de ldiversos produtos comuns no nosso cotidiano.Por conta dessa enorme importância e variedade no uso da borracha, um grupo de estudo formado por alunos de mestrado e pesquisadores do Inpa/MCT ( Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) vêm desenvolvendo pesquisas que visam à recuperação da produção da borracha natural no Amazonas.
Uma das pesquisas foi desenvolvida por Peter Wimmer, aluno de Pós Graduação em Ciências de Florestas Tropicais do Inpa. O estudo investigou a produção de borracha natural em sistemas agroflorestais de várzea, no município de Itacoatiara (distante à 176 quilômetros de Manaus).
A pesquisa intitulada “Produção de Borracha Natural em Sistemas Agroflorestais de Várzea no Município de Itacoatiara”, foi orientada pelos pesquisadores do Inpa Sônia Alfaia e Newton Falcão. A pesquisa foi financiada pela Sepror (Secretária de Estado de Produção Rural) e os resultados obtidos serão utilizados para orientar o Programa de Recuperação da Cadeia Produtiva da Borracha Natural. O estudo foi realizado em 12 propriedades rurais situadas nas áreas de várzea em Itacoatiara.
O projeto foi realizado em três etapas. A primeira caracterizou os meios de produção das populações ribeirinhas e constatou que os sistemas produtivos são voltados para suprir a necessidade alimentar própria (agricultura familiar), mas também para a comercialização dos produtos.
A segunda etapa foi a caracterização dos sistemas agroflorestais por meio de um levantamento florístico, onde foi constatado que as seringueiras se encontram consorciadas com outras espécies de plantas como açaí, cacau, taperebá, bacabinha e banana. Ao todo, foram identificadas 54 espécies utilizadas para consumo e/ou comércio dentro destes sistemas.
A terceira etapa foi a avaliação da produção de borracha, que foi feita por meio da determinação do número de seringueiras produtivas, seu arranjo espacial, formas de extração e beneficiamento do látex utilizados pelos produtores, além da produtividade de látex por planta e intensidade de exploração das seringueiras.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email