Inovar é prática comum em MPEs

Ser inovador tem sido a busca da maioria das MPEs (micro e pequenas empresas) brasileiras nos últimos dois anos, de acordo com recente pesquisa feita pelo Sebrae (Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas). Neste período, a maioria das MPEs promoveu algum tipo de inovação –que o estudo classifica como sendo desde o lançamento de um novo produto até melhorias na estrutura organizacional ou nos processos. Em Manaus, inovar já se tornou característica dos empreendedores locais.
Para mais de 80% dos empreendedores brasileiros a modernização resultou em um incremento nas receitas de sucesso.
O uso de ferramentas inovadoras para conquistar novos clientes e aumentar a qualidade dos produtos e serviços já é uma realidade para 75% dos pequenos negócios no Brasil. Além disso, 87% dos proprietários de pequenos negócios afirmaram que os processos de inovação adotados deixaram os clientes mais satisfeitos. Para 83% dos entrevistados, a imagem da empresa foi beneficiada e, 72% deles confirmaram que a inovação melhorou a qualidade de vida no ambiente de trabalho.

Inovando há tempos
Em Manaus, berço de empresas inovadoras, principalmente em tecnologia, a inovação transformou o empreendedorismo local em um setor pujante e com grande capacidade de crescimento por conta de cursos e eventos voltados a inovação.
Exemplo disso, é um pequeno estabelecimento comercial que parece resistir ao tempo, mas não às novidades. A Bárbaros Confeitaria vem desde o ano de 2006 inovando, criando um networking e fechando bons negócios, ao adotar estratégias inovadoras, que melhorassem produtos, atendimento e gestão, explica o sócio da confeitaria, Maurício Pardo. “Antes da moda gourmet, oferecíamos degustação para quem nos visitava em nosso ponto na feira de artesanato da Eduardo Ribeiro. Ninguém mais faz degustação de produtos gourmet, nós fazíamos. Antes das redes sociais, tínhamos uma lista de e-mail e abastecíamos nossos clientes com novidades”, conta Pardo.
No segmento de tecnologia, onde a inovação é regra, os exemplos são abundantes e demonstram a vocação de Manaus para o novo. Startups e incubadoras vem surgindo e eventos como a Feira do Empreendedor do Sebrae (ocorrida no mês passado) tem público garantido e empresas surgem a partir daí, conta o proprietário da Uplink, startup incubada na Fucapi, Danilo Egle. “Por estarmos em contato direto com o PIM (Polo Industrial de Manaus) e as maiores players do mercado estarem aqui, os interessados em PDI (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação) são muitos. Outro fator é a liberdade de se criar, boas idéias podem ser geradas no quarto de casa ou em conversas com amigos”, explica Egle que continua, “Tanto alarde vem servindo para desmistificar o segmento. Por muito tempo se pensou que inovação era coisa de especialistas em TI”,explicou.

Gestão
De acordo com o Sebrae, o micro e pequeno empresário deve identificar problemas como a falta de conhecimento de técnicas de prospecção de tendências e oportunidades de mercado, dificuldade de acesso a crédito e capital de risco, tornando o negócio competitivo e rentável. “Antes de metermos a mão na massa, fizemos estudo de mercado, detectamos as necessidades do público e resolvemos investir. Acreditamos em consultoria, apesar de não termos buscado uma. Aprendemos e se hoje temos sucesso, foi com muita dificuldade e pouco dinheiro, mas sempre inovando”, resume Pardo.
A geografia da região, as dificuldades geradas pela distância dos grandes centros e os problemas de logística, fazem do norte e do Amazonas, ecossistemas propícios à inovação. “Estamos em um lugar único, o que fazemos aqui tão bem, se enquadra no conceito de startups, criar soluções para muitas pessoas, usando ideias simples. E algumas dessas idéias têm grande potencial econômico, podendo se escaláveis e gerar bons negócios”, conta Egle.

Serviços 5D
Para o sucesso de uma empresa, o consultor de soluções em gestão avançada e sócio do Instituto Áquila, Christiano Gomes, recomenda a implantação de cinco dimensões (5D), “Custo, entrega, segurança, atendimento e qualidade, garantem ótimos resultados. Com quatro estará muito bom, mas conseguir as cinco é o desafio. Ter boas ideias não é o suficiente, ir com a cara e a coragem, sem planejar não é boa ideia,” explica o consultor.

Investimentos
De 2014 a 2017, o Sebrae investirá R$ 1 bilhão em inovação, por meio de projetos e programas como o Sebraetec, ALI (Agentes Locais de Inovação), Centro Sebrae de Sustentabilidade, apoio a incubadoras e parcerias. De acordo com o Sebrae nos últimos três anos a instituição aumentou em mais de 300% o número de atendimentos com soluções de inovação passando de 40 mil em 2010 para 145 mil em 2013, e o ambiente é favorável ao crescimento e inovação em 2014.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email