Inflação sobe para 0,24% em setembro

Os preços dos artigos de vestuário e os custos da habitação pressionaram em setembro e fizeram o IPC (Índice de Preços ao Consumidor) da Fipe (Fundação Instituto de Pes-quisas Econômicas da USP) acelerar para 0,24%, após a alta de 0,07% em agosto.
O índice fechado do mês reverteu, assim, a folga vista em agosto e voltou a um nível similar ao observado em julho, quando o IPC ficou em 0,27%.

Os preços no grupo Habitação registraram alta de 0,22%, avanço expressivo na comparação com agosto, quando houve deflação de 0,82% -avanço de 1,04 ponto percentual. O grupo registrou assim a maior alta no índice mensal desde maio, quando ficou em 0,28%.
O grupo Vestuário, por sua vez, manteve-se em território negativo, com deflação de 0,07%. Em relação a agosto, no entanto, o avanço foi significativo: naquele mês, o índice teve deflação de 1,05% -o avanço em setembro foi de 0,98 ponto percentual. O indicador do grupo teve no mês passado o maior índice desde junho, quando houve inflação de 0,13%.

O grupo Alimentação, que registrou índices acima de 1% entre junho e agosto, no mês passado recuou, apontando alta de 0,68% -menor desde maio, quando houve alta de 0,58%.

O grupo Transporte fechou setembro com deflação de 0,01%, mas avançou em relação a agosto, quando teve deflação de 0,05%.

Em queda também fecharam o mês passado os grupos Despesas Pessoais (alta de 0,02%, contra inflação de 0,19% em agosto), Saúde (alta de 0,14%, contra 0,67% no mês anterior) e Educação (alta de 0,05%, contra 0,07% em agosto).

O IPC da Fipe mede a variação dos preços no município de São Paulo de famílias com renda até 20 salários mínimos.
A inflação na cidade de São Paulo deve acelerar ao longo deste mês e fechar outubro com alta de 0,34%, ante 0,24% em setembro, segundo projeções da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da USP) para o IPC (Índice de Preços ao Consumidor). No acumulado do ano até setembro, o IPC registra inflação de 2,96%.
Para o ano, a fundação reduziu a estimativa de inflação para 4,1%, frente 4,2% projetado em setembro. O desempenho do grupo Alimentação, que no mês passado registrou variação de 0,68% (inferior à projeção de alta de 1,15% para o mês), motivou a revisão do índice anual para baixo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email