Inflação dos alimentos ameaça crescimento da economia, diz OCDE

A alta dos preços dos alimentos e das commodities ameaça o crescimento econômico global, alertou na o secretário-geral da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), Angel Gurría.
Ele elogiou ideias como a do governo francês, que durante o período de presidência do Grupo das 20 maiores economias do mundo (G20) deve priorizar a regulação da volatilidade dos preços nos mercados de matérias-primas.
Ele avalia que a imposição de medidas disciplinares por meio de restrições no comércio, buscando garantir os mercados internacionais, podem amortecer a demanda e os choques de oferta em alguns países individualmente. “Os mercados agrícolas sempre foram voláteis, mas, se os governos atuarem juntos, oscilações extremas de preço podem ser mitigadas e os consumidores e produtores vulneráveis serão mais bem protegidos”, comentou em comunicado.
Gurría também avisou sobre a necessidade de melhorar os sistemas de informação pública com dados de produção e dos níveis de estoques. “Os mercados de commodities precisam funcionar melhor e de forma mais transparente”, disse.
O secretário-geral também alertou os países a investirem mais em agricultura, de modo que impulsionem a produção de alimentos para atender as necessidades resultantes do crescimento da população.
Preocupações com a importância da segurança alimentar têm ganhado destaque depois que a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) registrou níveis de preço recorde para os alimentos, em dezembro. As cotações estão acima do patamar observado na crise alimentar de 2007/08.
Na semana passada, o Banco Central Europeu (BCE) afirmou que, “no longo prazo, a pressão de valorização dos alimentos permanecerá, em virtude o crescimento robusto da demanda global”.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email