Indústria pode contratar mais de 9 mil

A expectativa é que pelo menos 80% dos temporários da indústria sejam efetivados em 2011, informou o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos Valdemir Santana. De acordo com ele, muitas empresas vão começar a contratar no próximo ano e quem já está trabalhando vai ter prioridade. O Polo Industrial fechou o ano com 116 mil empregos diretos, sendo 9 mil temporários.
Também confiante com o início do ano, o Sindicato dos Fabricantes de Eletroeletrônicos do Amazonas, informou que espera que o mercado continue aquecido e que muitos desses contratos, que hoje são temporários, possam ser efetivados, para começar o ano de 2011 com boas notícias.

Indústria de Transformação é destaque

Segundo o superintendente do trabalho, Alcino Vieira dos Santos, em 2010, o Amazonas teve 7,38% a mais de empregos comparado ao ano passado. Os dados da SRTE/AM (Superintendência Regional do Trabalho no Amazonas), informam que dos 171.380 que entraram no mercado de trabalho, 26.590 se mantiveram. A indústria de transformação foi o segmento que mais contribuiu para o crescimento no Estado, registrando o saldo de 11.612 postos de trabalho no ano. Em segundo lugar ficou o setor de serviços, com 10.905.
E esses dados tem refletido de forma evidente na economia do município fazendo com que, em 2010, a Zona Franca batesse o recorde de faturamento, chegando a 37,78% maior do que em 2009, alcançando quase US$ 33 bilhões, o maior desde a sua criação, há 43 anos.
Além disso, o grau de satisfação com o ambiente de trabalho também contribuiu para a conquista. Na última terça-feira, a pesquisa Sondagem da Indústria de Transformação, do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia) da FGV (Fundação Getúlio Vargas) divulgou que o ICI (Índice de Confiança da Indústria) conseguiu atingir o melhor nível do semestre, passando de 112,7 pontos para 114,5 pontos, com alta de 1,6%.
O levantamento mostrou que as expectativas dos empresários industriais para os meses seguintes se tornaram mais otimistas em relação ao nível de emprego. Das 1.196 empresas consultadas pela FGV, 31,0% preveem ampliar o contingente de mão de obra no trimestre que engloba o período de dezembro a fevereiro, ante 28,6% no levantamento anterior, em novembro.
Outros 5,7% pretendem reduzir o quadro de pessoal, número abaixo da previsão anterior (7,8%).
De acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Serviços Terceirizáveis e Trabalho Temporário (Asserttem) no setor industrial, os maiores empregadores são as indústrias de bens de consumo, como alimentos, bebidas, brinquedos, eletrônicos, vestuário e papel.
As contratações são para as funções de auxiliar administrativo, auxiliar de departamento financeiro, auxiliar de laboratório, auxiliar de serviços gerais, motorista, nutricionista, operador de empilhadeira, operador de máquinas, técnico em manutenção industrial e técnico em segurança do trabalho.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email