10 de abril de 2021

Indústria melhora estimativa do PIB e descarta queda para o ano

A CNI (Confederação Nacional da Indústria) revisou para cima a previsão de crescimento da economia brasileira em 2009

A CNI (Confederação Nacional da Indústria) revisou para cima a previsão de crescimento da economia brasileira em 2009. No relatório de terça-feira, a entidade prevê que o PIB (Produto Interno Bruto) deste ano vai empatar com o de 2008. A estimativa anterior, feita em junho, era de retração de 0,4%.
O principal motivo para a melhora da previsão, segundo a CNI, foi o desempenho do consumo das famílias, que cresceu 2,1% no segundo trimestre do ano, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mais do que o previsto anteriormente. Segundo a instituição, “o consumo das famílias no segundo trimestre já superou por completo os impactos da crise e atingiu patamar recorde quando considerado o índice dessazonalizado (sem os efeitos de calendário e sazonais)’’.
O consumo interno é alimentado, na avaliação do relatório da CNI, pela maior concessão de crédito para a pessoa física, pelo aumento da massa salarial (principalmente do setor público), os auxílios do governo para a baixa renda e as desonerações tributárias, como do IPI (Imposto sobre Produto Industrializado). Para a CNI, o consumo das famílias crescerá 2,4% em 2009 ante 2008.

Desempenho econômico

A CNI informou ainda que o desempenho econômico podia ser melhor, se os investimentos tivessem apresentado reação. “Mesmo com o crescimento da demanda, os investimentos ainda não se recuperaram’’, segundo afirma a entidade.
Para a CNI, “os bons resultados recentes não significam que a crise está superada”. O PIB industrial, mesmo tendo crescido no segundo trimestre ante o primeiro, ainda teve queda de 7,9% na comparação com o mesmo período do ano passado. No acumulado do primeiro semestre, a queda é de 8,6% ante igual intervalo de 2008. Por isso, a previsão da CNI para o PIB industrial é de recuo de 4%. A projeção anterior, de junho, era de queda de 3,5%.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email