14 de agosto de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Indústria desistiu do planejamento de longo prazo, aponta pesquisa

A indústria abriu mão do planejamento de médio e longo prazos para focar suas ações no curto prazo no que diz respeito a investimento, aumento da produção e contratação de pessoal

A indústria abriu mão do planejamento de médio e longo prazos para focar suas ações no curto prazo no que diz respeito a investimento, aumento da produção e contratação de pessoal. É o que mostra a Sondagem Industrial de novembro, realizada pela FGV (Fundação Getúlio Vargas). Para o coordenador da sondagem, Aloísio Campelo, essa decisão da indústria foi tomada com base no cenário de incertezas provocado pela crise financeira internacional.
O setor industrial, de acordo com Campelo, está montando suas estratégias como alguém que passa por um terreno encharcado e que procura um local mais firme para dar o próximo passo. De acordo com ele, os números da sondagem divulgados ontem ilustram bem essa situação.
O ICI (Índice de Confiança da Indústria) mostrou estabilidade em novembro, depois de ter registrado queda de 0,4% em outubro, e interrompeu uma sequência de dez meses de recuo do indicador. O IE (Índice de Expectativas), por sua vez, avançou 1,5% em novembro, depois de ter ficado positivo em 0,28% em outubro.
“A boa notícia é que, embora o ICI ainda ande de lado, as expectativas melhoraram pelo segundo mês consecutivo”, disse Campelo, para quem no curto prazo o pessimismo parou de aumentar e já há algum otimismo sendo formado com vista a janeiro.
O coordenador da sondagem, no entanto, afirmou que a pequena melhora observada em novembro não pode ser considerada um ponto de inflexão que vai estimular significativamente inves­timentos e contratação de pessoal. Para Campelo, trata-se de uma melhora centrada no curto prazo, em razão de indicadores positivos pontuais.
Nesse aspecto, desta­ca-se a pequena re­du­ção dos estoques, de 9,6% em outubro para 8,4% em novembro do total de 1.219 empresários pesquisados entre os dias 3 e 29 de novembro. Também apresentou melhora o nível de otimismo em relação à demanda externa, com 14,2% dos entrevistados entendendo que a procura por produtos brasileiros está mais forte do que em outubro, quando 8,8% tinham essa visão. Para Campelo, essa percepção em relação à demanda externa pode estar associada às divulgações mais recentes de índices de vendas melhores nos Estados Unidos.
O Índice de Confiança da Indústria relacionado ao emprego previsto, no período dos próximos três meses, cresceu 0,8%. A produção prevista, também no horizonte de três meses, subiu 0,3% Mas a tendência de negócios para os próximos seis meses caiu 0,3%. “Isso mostra que a melhora no curto prazo não será suficiente para incentivar investimentos ou contratações consistentes de pessoal”, reforçou Campelo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email