18 de abril de 2021

Incubadas crescem 30% ao final de 2009

Biojóias, cosméticos, softwares, bebidas e confecções são alguns dos produtos gerados e comercializados pelas 63 empresas integrantes do Cide (Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial)

Biojóias, cosméticos, softwares, bebidas e confecções são alguns dos produtos gerados e comercializados pelas 63 empresas integrantes do Cide (Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial). No ano passado, essas organizações faturaram, no total, R$ 17 milhões, incluindo o AmazonSoft (Polo de Software do Amazonas). O balanço anual foi divulgado pelo diretor da incubadora, Eduardo Pedro, e mostra crescimento de 30% sobre 2008.
De acordo com Pedro, o Cide espera fechar 2010 com faturamento de, no mínimo, R$ 17 milhões novamente e elevar a marca atual de 600 empregos diretos e 1.500 indiretos. “A capacidade física do Cide está completamente ocupada e estamos tentando novas parcerias para aumentar o espaço neste ano. A lista de espera já está com 17 projetos”, disse o diretor da entidade.
O Cide possui 12 mil metros quadrados de área e as empresas incubadas têm acesso a crédito diferenciado em instituições como Banco da Gente (agente financeiro da prefeitura de Manaus) e Afeam (Agência de Fomento do Estado do Amazonas). “As instituições financeiras do Estado e prefeitura são nossos parceiros, bem como o Basa [Banco da Amazônia S/A], a CEF [Caixa Econômica Federal] e a Finep [Financiadora de Estudos e Projetos], para obtenção de subvenção econômica visando o desenvolvimento dos projetos”, explicou Pedro.
As empresas interessadas em participar do Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial precisam formalizar pedido na sede da entidade, na avenida General Rodrigo Otávio Jordão Ramos, 1.866, no bairro, zona leste. Cada processo de incubação demora em média três anos e é necessário possuir um plano de negócio para fabricação de produto ou prestação de serviço inovador, com viabilidade econômica.

Polo de Software

O AmazonSoft é um agente catalisador do grupamento de empresas de software do Amazonas, sediado no Cide e com o objetivo de contribuir para o progresso tecnológico-científico, econômico e social da Amazônia, através do desenvolvimento da indústria de software. Um dos destaques do polo é a empresa Techway, fabricante da caneta interativa Pentop que lê material gráfico-eletrônico e auxilia na educação de pessoas com deficiência auditiva ou visual, bem como no ensino de idiomas.
A produção do primeiro lote de canetas e livros interativos está em fabricação na China, na cidade de Shenzhen, em parceria com uma fábrica local, informou o diretor de negócios da Pentop, Marivaldo Albuquerque.
Hoje, o AmazonSoft conta com 21 empresas e emprega 200 pessoas diretamente. A maioria das empresas trabalha conforme a demanda do mercado e apresenta soluções tecnológicas específicas para cada cliente. O faturamento do ano é de R$ 7 milhões.
“Existe a possibilidade de expansão do Cide tanto na área atual quanto na criação de outras unidades no interior do Amazonas, para transferir este modelo de negócio para outras cidades e gerar uma nova alternativa sócioeconômica de emprego e renda nos municípios afastados”, adiantou o diretor Eduardo Pedro, sobre as novidades da instituição para 2010.
Entre as empresas incubadas do Cide destacam-se a fabricante de biojóias Rita Prossi e a produtora de cosméticos Harmonia Nativa. Há 15 anos no mercado de pedras e metais preciosos com matéria-prima amazônica a empresa Rita Prossi, de propriedade de uma designer de mesmo nome, possui quatro lojas em Manaus e mais quatro pontos de vendas no Brasil.
“Utilizamos fibras vegetais transadas dos índios waimiri-atroari, sementes já germinadas, couros e penas sintéticas, enfim, adotamos o conceito de biojóias ecologicamente corretas”, explicou Rita.
A Rita Prossi gera 12 empregos diretos e cem indiretos e fatura R$ 380 mil por ano. “Além de biojóias amazônicas temos a previsão de começar a vender bolsas e roupas a partir de 2011, quando o projeto estiver finalizado e a fabricação estabelecida no Cide”, disse Rita.
No mercado de cosméticos inspirados em plantas, frutas e óleos naturais da floresta amazônica está a Harmonia Nativa, que há cinco anos produz sabonetes, cremes, aromatizantes, óleos de banho, gel esfoliante, entre outros produtos de beleza e higiene pessoal.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email