15 de abril de 2021

Inadimplência em Manaus acima da média nacional

A inadimplência acelerou em Manaus, na passagem de outubro para novembro, seguindo trajetória inversa à da média nacional. A quantidade de consumidores da capital com pelo menos um compromisso vencido e não pago chegou a 999.009, número 0,32% superior ao do mês anterior (995.846). Em todo o Brasil, houve decréscimo de 0,48% –de 62,2 milhões para 61,9 milhões. A comparação com os dados de novembro de 2019 (1.044.834 e 63,8 milhões, respectivamente), por outro lado, rendeu quedas de 4,38% e 2,98%.

O Amazonas, por sua vez, experimentou uma virtual estabilidade na taxa de inadimplência entre outubro (1.453.103) e novembro (1.453.407), dado que o incremento relativo não passou de 0,02%. Em sintonia com a capital e o país, o Estado experimentou retração de 3,55% no confronto com os capturados 12 meses antes (1.506.878). É o que revelam os dados do Indicador Serasa Experian, fornecidos pela própria empresa à reportagem do Jornal do Commercio.

Um cruzamento dos dados da Serasa e do IBGE indica ainda que o peso local da inadimplência supera o da média nacional. Em torno de 45% da população de Manaus (2,219 milhões) com idade de trabalhar –e, em tese, também de consumir –está nessa condição, enquanto o Amazonas aparece com proporção pior, de 48,30% (de 3,009 milhões). Já a quantidade de inadimplentes contabilizados de Norte a Sul do país corresponde a 35,26% do contingente de brasileiros economicamente ativos estimado para o país (175,55 milhões).

O indicador da Serasa contempla a totalidade dos consumidores que estão com contas atrasadas há mais de 90 dias e que tiveram o CPF incluído na base de dados da empresa verificadora de situação de crédito. As dívidas inclusas na base de dados incluem compromissos com bancos e cartões; utilities (serviços públicos essenciais de água, eletricidade e gás); telecomunicações; varejo; serviços; financeiras, securitizadoras e “outros segmentos”.

No Amazonas, a maior parte dos débitos em atraso diz respeito às utilities de água, eletricidade e gás (31,4%). Na sequência, estão varejo (22,6%), bancos/cartão (19,4%), telecomunicações (10,8%), serviços (6,8%), outros segmentos (4,4%), financeiras (4,2%) e securitizadoras (0,6%). A base de dados da Serasa Experian não dispõe do mesmo detalhamento para Manaus.

Na comparação com os números de novembro de 2019, o único segmento que aumentou de participação foi o de utilities (+54,68%), enquanto securitizadoras (-57,14%) e financeiras (-40%) responderam pelas maiores quedas relativas. Já a participação do varejo amazonense no bolo foi 2,59% do que a registrada em 2019 (23,2%). Em contrapartida, bancos e cartões (27,8%) lideraram a lista nacional de pendências, sendo secundados pelos serviços públicos de eletricidade, água e gás (22,8%).

Auxílio e juros

O economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, salienta que, apesar de ser “bem expressivo”, o número brasileiro de inadimplência tem caído nos últimos trimestres, especialmente entre abril e novembro do ano passado, quando 4 milhões de brasileiros foram tirados da lista negra dos maus pagadores. O especialista aponta, contudo, que os dois fatores que permitiram que isso acontecesse, mesmo em ano de pandemia e desemprego em alta, não devem estar no radar, em 2021.

“Um deles é o ingresso do auxílio emergencial, que possibilitou às pessoas que perderam seus empregos terem renda para quitar e renegociar dívidas. O outro é a redução das taxas de juros, que facilitou esse processo. Esses dois elementos ainda estavam presentes nesse período. A grande interrogação é o cenário para 2021, já que o auxílio não deve vigorar neste ano, por uma questão orçamentária. E a inflação deve fazer o BC (Banco Central) voltar a elevar os juros”, avaliou.   

Vendas menores

Já o presidente em exercício da Fecomércio-AM (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Amazonas), Aderson Frota, observa que há uma correlação inversa entre vendas e inadimplência e aponta que, a despeito das apostas dos lojistas, estas desaceleraram em novembro, fazendo com que o desempenho do último trimestre de 2020 ficasse aquém do de 2019. De acordo com o IBGE, o volume de vendas encolheu 1,2%, entre outubro e novembro, embora tenham avançado 9,6% na variação anual.

“Achávamos que o Black Friday iria gerar um grande incremento de vendas, e isso não aconteceu. Em dezembro, ocorreu o mesmo, apesar de nossas expectativas. Isso tem uma correlação muito forte com a tendência de crescimento de volume da inadimplência, que aumentou. A explosão de vendas do final de 2019 tinha nos jogado em 2020 com muito otimismo, mas essa onda foi abatida pelos impactos da pandemia”, concluiu. 

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email