Implurb notifica 49 comerciantes da Alvorada por obstruírem a calçada

“A Prefeitura tem de fazer isso mesmo. Tem de pedir para este povo tirar as mercadorias da calçada e liberar o espaço para nós passarmos. Eu ando todos os dias em meio aos carros porque na calçada mesmo não tem onde andar”.

“A Prefeitura tem de fazer isso mesmo. Tem de pedir para este povo tirar as mercadorias da calçada e liberar o espaço para nós passarmos. Eu ando todos os dias em meio aos carros porque na calçada mesmo não tem onde andar”. A reclamação da aposentada Fátima Nascimento, 60, resume o porquê das 49 notificações emitidas por fiscais do Implurb (Instituto Municipal de Planejamento Urbano) apenas na rua 8 do Alvorada 1, zona centro-oeste. As advertências foram para retirada imediata de mercadorias das calçadas.
A ação naquela rua começou no dia 14 de junho e visa conscientizar os comerciantes de que o passeio não pode ser utilizado para exposição de produtos. No primeiro dia, 22 notificações foram entregues. Nesta segunda-feira (21), mais 27 foram emitidas. “Os lojistas precisam entender que todo o espaço da calçada é do pedestre. É local público e precisamos garantir ao pedestre o que é dele por direito: a segurança de transitar na calçada sem ter de competir por espaço com veículos na via”, explicou a responsável pela GFP (Gerência de Fiscalização de Postura) do instituto, Fátima Lima.
Notificações entregues, o próximo passo do Implurb será autuar os comerciantes que não cumprirem a solicitação. Neste caso, a multa varia de R$ 50 a R$ 200 e pode aumentar em caso de reincidência ou resultar até mesmo na apreensão da mercadoria exposta.

Saldo positivo

O Implurb informa, por intermédio de sua assessoria de imprensa, que tem percorrido bairros de Manaus com fiscalizações que visam combater a obstrução do passeio público. Ainda este mês, mais de 25 notificações foram distribuídas no Parque 10, na avenida Perimetral e na rua do Comércio, na zona centro-sul. “O retorno teve saldo positivo já que apenas cinco desobediências foram constatadas no retorno ao local”, encerrou.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email