IFRS 14 só para empresas que adotarem novas normas

Objetivando melhorar a comparabilidade dos relatórios financeiros de empresas que atuam em mercados regulados, o IASB – International Accounting Standards Board, comitê de normas internacionais de contabilidade, emitiu no início deste mês a norma IFRS 14. E embora o IASB tenha optado por desenvolvê-la de forma provisória e que a norma IFRS 14 só passará a ser obrigatória a partir de 2016, ela já está liberada e pode ser aplicada pelas empresas.
Mas, na opinião do coordenador do Grupo Técnico de Energia do Ibracon – Instituto dos Auditores Independentes do Brasil, Marcos Quintanilha, apesar de ser um avanço nas discussões sobre o tema, o IFRS 14 ainda não deverá atender à expectativa da comunidade contábil e das empresas reguladas brasileiras, pois aplica-se somente às empresas que estão em processo de adoção do IFRS.
“Ou seja, o IFRS 14 permite que empresas que atualmente registram ativos e passivos regulatórios, em atendimento a seus princípios contábeis locais, não tenham necessidade de reverter esses ativos e passivos, quando da adoção do IFRS. Porém, essa mesma permissão não é concedida às empresas que já adotaram o IFRS anteriormente (e, portanto, tiveram que reverter esses ativos e passivos de seus balanços), que é o caso das empresas Brasileiras”, explica o especialista.
No entanto, Quintanilha ressalta que o IASB está em andamento com um projeto mais abrangente de revisão das regras contábeis para empresas reguladas, onde deverá ser reaberta a discussão sobre o registro de ativos e passivos regulatórios pelas empresas que atualmente já adotam o IFRS.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email