IEDI aponta crescimento na produção e emprego, mas em menor ritmo

Em maio, segundo dados do IBGE, a indústria brasileira manteve sua trajetória de crescimento positivo. No entanto, o segundo trimestre de 2010 vem sendo marcado pela desaceleração das atividades industriais, tanto na produção como no emprego. De fato, se havia dúvida sobre a desaceleração do crescimento industrial brasileiro no segundo trimestre deste ano, os resultados da produção regional dão um sinal claro de que o ritmo da indústria nacional é bem menos intenso hoje do que o registrado no início do ano.
A análise do comportamento dos vários estados e regiões, segundo o IEDI (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), mostra que no centro industrial do país, São Paulo, a produção vem apresentando um nítido e contínuo declínio na margem nos últimos três meses – vale dizer, desde março deste ano.
Ao se comparar a variação da produção em determinado mês com relação ao mês imediatamente anterior a partir da série com ajuste sazonal, observa-se a seguinte evolução na indústria paulista: +0,7%, +0,2% e –0,9%, respectivamente em março, abril e maio, partindo-se de fevereiro quando o crescimento foi de 1,9%.
Mesmo comparando esses mesmos meses de 2010 com igual período de 2009, nota-se uma perda de ritmo da produção industrial em São Paulo: 18,5%, 17,0% e 12,1%, nessa ordem, de março a maio. Como esta Análise vem assinalando, provavelmente a indústria não reproduzirá nos próximos trimestres deste ano o crescimento do primeiro trimestre. Ainda assim, a projeção é de que a indústria apresentará resultados expressivos no ano, agora com mais equilíbrio entre os seus diferentes ramos de atividade.
Vale ainda destacar os bons resultados do Nordeste, cuja produção industrial cresce, na margem, desde agosto de 2009, acumulando no período variação de 16,8%.
Isso se deve, em grande parte, à presença forte da indústria de alimentos na região, a qual tem se beneficiado da evolução positiva dos rendimentos do trabalho e das políticas de renda do Governo e, consequentemente, obtido boas taxas de crescimento de sua produção.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email