Histórias do sanduíche e do hambúrguer

Quentinho como se tivesse saído da chapa agora mesmo. Assim está o livro ‘Sanduíche! Impossível resistir a essa tentação’, de J. A. Dias Lopes, que acaba de ser lançado pela Editora Melhoramentos.

O gaúcho J. A. Dias Lopes é jornalista, escritor e cronista gastronômico, mas mora em São Paulo desde 1968. No seu currículo gastronômico constam ter dirigido a revista ‘Gula’. Por mais de dez anos foi colunista do caderno ‘Paladar’, do jornal ‘O Estado de S. Paulo’. Hoje dirige a ‘Revista Gosto’. Já lançou cinco livros: ‘A canja do imperador’ (2004), ‘A rainha que virou pizza’ (2007), ‘O país das bananas’ (2014, distinguido em 2015 com o Prêmio Jabuti), ‘Massa! Mangia che ti fa felice’ (2016) e ‘Arroz! Assim cozinha a humanidade’. Em entrevista ao Jornal do Commercio, Dias Lopes falou um pouco mais sobre o personagem desse seu mais novo livro.

“Um hambúrguer nada mais é do que carne bovina moída, moldada em formato arredondado, depois levada ao fogo. Deve ser necessariamente crua e sem nervos, de preferência fraldinha, patinho, contrafilé, maminha e picanha. Alguns a deixam com uma granulação maior; outros a passam na máquina de moer, a fim de obter uma textura mais pastosa”, explicou.

“Aconselha-se uma porcentagem de gordura em torno de 15%. Acima disso, seria demais. Hoje, também existem hambúrgueres feitos com outros ingredientes. Há quem use frango, salmão, lentilhas. A família virou numerosa”, completou.

Kikão, só em Manaus

Para Dias Lopes o hambúrguer se resume a antes e depois do McDonald’s. Um é o tradicional, preparado pela gigante norte-americana, maior cadeia do ramo no mundo, surgida no ano de 1940 em San Bernardino, na Califórnia, como um restaurante barbecue. Tornou-se fast food em 1948, usando princípios de produção industrial. Depois surgiu o hambúrguer gourmet, “que recorre a ingredientes diferenciados, inova no tipo de carne, no molho e às vezes no pão, portanto mais suscetível à atualização gastronômica. A primeira hamburgueria desse patamar no Brasil teria sido a The Fifties, inaugurada em 1992, no bairro do Itaim Bibi, em São Paulo. Ficou conhecida pelas carnes inovadoras e por lançar novidades para o lanche ou refeição com seu sanduíche milk shake e sundae, por exemplo”, revelou.  

Conta a história que o sanduíche teria sido criado pelo lorde britânico John Montagu (1718-1792), 4º conde de Sandwich, oficialmente a primeira pessoa do mundo a intercalar duas fatias de pão com carne dentro. Até hoje o conde é chamado pelos britânicos de ‘pai do sanduíche’.

“Mas diferentes povos podem tê-la inventado, a começar pelos romanos. Na Roma Antiga, o bairro no qual funcionavam as casas de prostituição era atravessado pela Via Panisperna, que significava em latim pão e presunto. A rua existe até hoje, em Roma”, contou.

Apesar de ter experimentado sanduíches em vários lugares do mundo, Dias Lopes fez um ‘rasgado’ elogio ao tão manauara kikão, surgido há uns 40 anos em nossa cidade, inclusive a palavra kikão, segundo o livro ‘Amazonês’, do professor Sérgio Freire, só existe em Manaus.

“Toda capital brasileira tem um sanduíche famoso. O de Manaus é o kikão. Eu o conheci no final da década de 1970, acho que foi quando começou a ser preparado na praça São Sebastião por um casal de gaúchos. Alguém me disse que eles teriam conhecido um cachorro-quente feito na rua, em Porto Alegre, no qual se inspiraram. Então, abriram um negócio parecido em Manaus”, lembrou.

“Se isso realmente aconteceu, o casal mudou a receita. Diferenciou-a, sobretudo, por incorporar um apetitoso refogado. Hoje, o kikão talvez seja o melhor cachorro-quente do Brasil”, afirmou.

O livro ‘Sanduíche! Impossível resistir a essa tentação’ traz 15 receitas apreciadas de diversas formas ao redor do mundo, com imagens de Reinaldo Mandacaru, fotógrafo especializado em gastronomia.

Fonte: Evaldo Ferreira

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email