Hadna Abreu promove nova mostra de seus trabalhos

Depois de sete anos da sua primeira exposição individual, a artista plástica Hadna Abreu promoverá uma nova mostra de seus trabalhos denominada ‘Linhas do Tempo – de volta para casa’, no próximo dia 19, quinta-feira, a partir das 19h, na Galeria de Artes do Icbeu, avenida Joaquim Nabuco, 1286 – Centro.

“O título daquela exposição, de 2013, foi ‘Linhas do Tempo’ quando, pela primeira vez fiz uma homenagem aos meus avós em uma galeria de arte. Nesta agora eu percebi que após sete anos, a volta a este tema me fez retornar às minhas memórias mais queridas. É reviver tudo novamente”, disse a artista.

“Voltar para casa é isso. É relembrar o cheiro da banana frita, da tapioquinha, das risadas embaladas numa rede ou numa cadeira de embalo, sempre rodeada de histórias contadas pelos avós, também de suas memórias queridas de infância ou de desafios que superaram em suas vidas. Sabedorias vivas. Voltar para casa é se voltar para o que temos dentro de nós. Eu consigo fazer isso, da maneira mais pura, pensando em meus avós”, completou.

A obra de Hadna sempre mostra o casal de velhinhos, seus avós, os modelos de sua arte desde criança, quando ela começou a rabiscá-los de maneira engraçada.

O avô, sempre alegre

“De um tempo pra cá eu passei a focar temas amazônicos, e isso me consumiu cinco anos. Após a morte de meu avô, aos 87 anos, decidi retomar o tema e para minha surpresa a exposição veio no ano de 2020, um ano que está sendo difícil para todos, não por acaso. Os velhinhos me ensinam muito, principalmente o amor, e acredito muito no poder deste sentimento para a passagem de 2020 para 2021. Suas linhas de expressão, o tempo de vida, tudo isso nos faz repensar em nossas próprias vidas. O que realmente importa? O que estou plantando hoje? A exposição vem para trazer reflexão sobre o nosso tempo”, explicou.

Olhando para o futuro

Universo sonoro

Para esta segunda edição de ‘Linhas do Tempo’, Hadna preparou mais de 40 obras, entre telas e esculturas, e algumas novidades que prometem apaixonar seus fãs e admiradores. A exposição também será um convite para uma grande e profunda exploração dos sentidos através do uso de tecnologia, como trilhas sonoras e realidade virtual.

“Serão quase 50 obras, ainda estou fechando as que realmente farão parte da exposição. A maioria são ilustrações de aquarela e nanquim. Mas terão adesivos gigantes e esculturas em miniatura e tamanho grande. Haverá painéis, jogos e realidade virtual. Muitas coisas para instigar a criatividade”, adiantou.

Para a artista, as esculturas são elementos importantes nesta exposição, “pois materializam as ideias dos desenhos e pinturas. Especialmente para as crianças que ficam fascinadas. Eu espero que as pessoas se conectem com as obras, e as esculturas têm um papel fundamental para este processo”, esclareceu.

Escultura do avô

O visitante que quiser viver uma experiência sensorial completa, recomenda-se levar fones de ouvido, pois durante a exposição, eles funcionarão como uma espécie de passaporte para um universo sonoro, e quem irá conduzi-los nesta viagem serão Hadna e o músico César Lima, que assina a trilha sonora de algumas obras da artista.

Hadna ficou mais de um ano planejando e criando o ambiente com César Lima. Tudo foi cuidadosamente tecido, construído para as pessoas sentirem as obras mais profundamente. A ideia surgiu, quando um senhor idoso e deficiente visual foi à exposição de 2013.

“Eu me senti envergonhada por quase nada da minha exposição ele conseguir sentir visualmente. Nenhuma obra estava pronta para recebê-lo. Foi daí que comecei a amadurecer a ideia da música. Para nós que enxergamos bem, a trilha sonora será para enxergarmos com a alma e fecharmos os olhos. Mas para as pessoas que são deficientes visuais a música será tudo para arrebatar o coração na exposição, como pinturas sonoras”, contou.

Visitas agendadas

Durante a exposição haverá uma lojinha para vender produtos produzidos pela artista e equipe: camisas, prints de telas, stickers, bonecos de pano ‘O aviador’ e muitas outras surpresas.

Devido à pandemia do coronavírus, para que se evite aglomerações, o acesso à galeria, no dia da vernissage, e ao longo de todo o período disponível para visitação, será restrito a um total de 60 pessoas, com o uso obrigatório de máscaras, e agendamento prévio através do site www.icbeu.com 

A exposição permanecerá em cartaz na Galeria de Artes até o dia 18 de dezembro. As visitas poderão ser realizadas de segunda a sexta-feira, das 15h às 19h e aos sábados, das 09h às 12h, com acesso gratuito.

“Meus avós mostraram o melhor da vida para mim. Uma vida sem luta é uma vida sem graça. Apesar das dores e tribulações precisamos ter esperança e sorrir com as coisas simples da vida. Eu desejo passar às pessoas cinco mensagens: Fé, Esperança, Visão, Gratidão e Amor. Essas cinco sabedorias juntas têm o poder de mudar o rumo da nossa nação”, ensinou.

Hadna Abreu com a avó

Vamos brincar?

Como forma de presentear os fãs e viajantes da exposição, Hadna desenvolveu dois jogos que trabalham a memória e o conhecimento geral sobre suas obras e personagens.

Para jogar e testar suas habilidades, basta acessar o site oficial da exposição: www.linhasdotempo2.com. Os primeiros colocados no ranking de pontuações serão premiados com brindes personalizados.

Informações: 9 8258-9133.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email