Há muito o que ser feito em ferrovias, afirma especialista em transporte

Atualmente seis milhões de passageiros são transportados por dia pelos sistemas metroferroviários em operação, em todo o país. Segundo Marcus Quintella, mestre em transportes pelo IME (Instituto Militar de Engenharia) e Diretor técnico da CBTU, este número representa apenas 5% do total de pessoas que utilizam o transporte público diariamente no Brasil.
“Quando se analisa o transporte de massa a ferrovia é a melhor opção. Somente o metrô, o trem e o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) têm capacidade para transportar um grande número de usuários por hora”, aponta.
Segundo ele, há alguns anos, pouco se falava do potencial das ferrovias para a movimentação nas cidades. No entanto, hoje o cenário é diferente. “Cidades relativamente pequenas, como Caxias do Sul (RS) e São Bernardo do Campo (SP), querem viabilizar sistemas metroferroviários, pois perceberam os benefícios da ferrovia”, argumenta.
E complementa: “os trens devem ser o coração do sistema de transporte. Os outros meios de locomoção podem auxiliar, tendo a função de ‘alimentadores’ do sistema metroferroviário”.
De acordo com o especialista, embora o cenário tenha sofrido modificações e a ferrovia tenha ganhado destaque entre os meios de transporte, pelo menos quanto ao planejamento deles, ainda há muito o que ser feito.
“A cidade de São Paulo, que é a principal metrópole do país, tem investido forte em ferrovia, no entanto, nos próximos dez anos verá sua malha passar de 60 para 80 quilômetros, o que é pouco para a magnitude da capital”, pondera.
O especialista aponta que este volume é praticamente igual ao que a cidade de Recife, no Pernambuco, possui. “São sistemas diferentes, a malha paulista atende muitos pontos da cidade, no entanto, o total de quilômetros é o mesmo”, detalhou.
Quando o assunto são os investimentos necessários na malha ferroviária, Quintella aponta que embora muitos profissionais da área afirmem que o sistema metroferroviário tenha uma implantação cara, os benefícios são maiores que o custo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email