Guaraná passa a ser o foco da produção

Dez mil mudas de guaraná serão doadas para os produtores rurais de Urucará (a 270 quilômetros de Manaus) até março. A idéia é alavancar a produção do fruto, que tem alto valor no mercado internacional.

Dez mil mudas de guaraná serão doadas para os produtores rurais de Urucará (a 270 quilômetros de Manaus) até março. A idéia é alavancar a produção do fruto, que tem alto valor no mercado internacional. A afirmação é do deputado Eron Bezerra, titular da Sepror (Secretaria de Estado da Produção Rural), que esteve no município na manhã da última quinta-feira, 5. A doação faz parte do Programa de Revitalização do Guaraná.
Na semana passada, a Sepror fez a doação de 20 mil mudas de guaraná para os produtores de Maués. As mudas são cultivadas em viveiro com tecnologia da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias). A novidade é que a tecnologia garante mais produtividade e menos desmatamento. Sem a fórmula, o agricultor só consegue extrair 150 quilos de cada hectare. Com a adaptação da Embrapa, a produtividade vai para 1 tonelada de guaraná produzida na mesma área.
“A demanda pelo produto é crescente. Nossa intenção é ampliar a produção. Para isso, já encomendamos 200 mil mudas para distribuir em todo o Amazonas, com foco nos municípios aonde a cultura já é desenvolvida”, explicou Bezerra. Além de Maués, o guaraná já tem produção em Apuí, Urucará, Boa Vista do Ramos e Barreirinha. Cada muda é comprada pelo Governo do Estado por R$ 4,50.
O quilo do guaraná orgânico (sem agrotóxicos) vale, na Europa, cerca de R$ 40. “Isso significa R$ 40 mil por safra. É melhor condição de vida para o produtor, cuja família não tem condições de manejar sozinha sete hectares e acaba tendo uma renda irrisória com 150 quilos de guaraná”, disse Bezerra.
De acordo com o prefeito de Urucará, Fernando Falabella, no ano passado a produção de guaraná ultrapassou 60 toneladas e gerou R$ 12 milhões de renda para os 268 agricultores da cidade. “Com incentivo, a mesma área produz o dobro de guaraná”, afirmou.
Atualmente, o guaraná amazonense é vendido para a Europa (Guaraná do índio), para o mercado local (Ambev, Coca-Cola, Recofarma) e também para indústrias produtoras de refrigerante e produtos alimentícios de todo o Brasil.
Em grãos, o quilo do guaraná vale R$ 30. Quando beneficiado (em pó) seu preço dobra e passa a ser vendido a R$ 60 o quilo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email