Grécia cumpre acordo com FMI e lança programa de austeridade

Os esforços da Grécia para reduzir seu déficit fiscal e recuperar sua economia parecem estar no caminho certo, de acordo com um comunicado publicado pela delegação de representantes da Comissão Europeia, do Banco Central Europeu e do Fundo Monetário Internacional em visita ao país. “Embora a missão não tenha feito uma revisão abrangente neste momento, as discussões sugerem que o programa está no caminho e as políticas estão sendo implementadas conforme o combinado”, diz o documento
Os representantes, que devem retornar a Atenas para outra avaliação do programa de reforma grego no final de julho, disseram que há sinais de que a economia da Grécia pode mostrar uma resiliência maior que a prevista.
O comunicado conjunto das entidades informa que “os desdobramentos fiscais são positivos, com as receitas do governo central aproximando-se do esperado e com forte controle de gastos no orçamento estatal”. Em outro ponto, o comunicado diz que “baseado em dados financeiros preliminares, até o fim de maio, o déficit orçamentário estatal ficou abaixo do que estava projetado no programa de reformas grego.” No início do mês, o governo da Grécia anunciou que o déficit nos cinco meses até maio caiu 38,8% em comparação a um ano.
No começo do mês, o governo grego se comprometeu com um rígido programa de austeridade e reformas, com duração de três anos, que compreende aumento de impostos e cortes de salário e aposentadorias como parte do acordo para obtenção de um empréstimo de 110 bilhões de euros da Comissão Europeia, BCE e FMI. A Grécia, que enfrenta custos proibitivos para tomada de empréstimos no mercado financeiro internacional, já recebeu 20 bilhões de euros do pacote e espera ter acesso a outros 18 bilhões até o final do ano, com uma segunda injeção de 9 bilhões de euros prevista para setembro.
A reforma inclui planos para recuperar o deficitário sistema previdenciário da Grécia, principalmente ao aumentar a idade de aposentadoria e cortar benefícios – decisões que provocaram a fúria dos sindicatos gregos, entre eles o GSEE. A mais recente lei sobre a reforma previdenciária está prevista para ser submetida ao parlamento até o final do mês.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email