11 de agosto de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Governo registra superávit de R$ 15,361 bi

A melhora do resultado do governo central foi influenciada por fatores atípicos como o comportamento das receitas e a não aprovação do orçamento de 2008

A arrecadação recorde de receita para os meses de janeiro e a falta da aprovação do Orçamento de 2008 fizeram com que o governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) registrasse um superávit recorde de R$ 15,361 bilhões no mês passado, um crescimento de 32,9% na comparação com janeiro de 2007.
“A melhora do resultado do governo central comparativamente ao período do ano anterior foi influenciada por fatores atípicos como o comportamento das receitas e a não aprovação do orçamento de 2008’’, explicou o relatório divulgado pelo Tesouro Nacional.
Na terça-feira, a Receita Federal divulgou que a arrecadação foi recorde para meses de janeiro devido, entre outros fatores, ao maior lucro das empresas e ao aumento da alíquota do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Outro motivo que explica o crescimento do superávit (receitas menos despesas, excluindo gastos com juros) é que o governo tem limitações para efetuar gastos enquanto o Orçamento não é aprovado.
O Tesouro Nacional apresentou um superávit de R$ 20,513 bilhões. Já a Previdência Social e o BC apresentaram déficits de, respectivamente, R$ 5,088 bilhões e R$ 62,7 milhões.
As receitas totais somaram no mês passado R$ 64,569 bilhões, contra R$ 52,086 bilhões de janeiro de 2007, alta de 24%. Já a receita líquida de repasses a Estados e municípios subiu de R$ 43,953 bilhões para R$ 54,351 bilhões, uma elevação de 23,7%.
As despesas tiveram uma elevação de pouco mais de R$ 6 bilhões, chegando a R$ 38,989 bilhões, 20,35% maior que o registrado em janeiro de 2007.
Do lado das despesas, houve uma expansão de mais de R$ 4 bilhões. Elas passaram de R$ 36,522 bilhões para R$ 41,354 bilhões. Uma das justificativas para a elevação dos gastos foi a concentração de pagamentos de precatórios (decisões judiciais).

Setor
público

A economia do setor público feita para o pagamento de juros em janeiro chegou a R$ 18,662 bilhões. Esse superávit primário (receitas menos despesas, excluindo gastos com juros) apresenta uma elevação de 38,7% na comparação com janeiro de 2007.
Trata-se do melhor resultado para meses de janeiro desde o início da série do Banco Central, em 1991. O governo central contribuiu com uma economia de R$ 16,705 bilhões e os governos regionais, com R$ 3,507 bilhões.

Estatais tiveram déficit de R$ 1,54 bi em janeiro

Já as empresas estatais apresentaram um déficit de R$ 1,549 bilhão. O resultado expressivo de janeiro foi suficiente para o pagamento de todos os juros do mês, que foram de R$ 13,131 bilhões, contra R$ 13,927 bilhões em janeiro de 2007.
Como as receitas foram superiores às despesas, o setor público apresentou um resultado nominal (receitas menos despesas, incluindo gastos com juros) positivo, de R$ 5,531 bilhões.

Economia
equivale a 3,8%

O setor público é formado pela União, Estados, municípios e estatais. Juntos, precisam fazer uma economia equivalente a 3,8% do PIB (Produto Interno Bruto). Nos 12 meses encerrados em janeiro, o superávit primário estava em 4,15% (R$ 106,812 bilhões), contra 3,98% de dezembro.
O déficit nominal acumulado em 12 meses está em 2,02% do PIB, ou R$ 51,925 bilhões.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email