Governo prepara medidas para estimular o crédito

Preocupado com a perda de dinamismo da economia brasileira e com a perspectiva cada vez maior de um desfecho lento para a crise europeia, o governo anuncia nos próximos dias medidas para estimular o crédito no país

Preocupado com a perda de dinamismo da economia brasileira e com a perspectiva cada vez maior de um desfecho lento para a crise europeia, o governo anuncia nos próximos dias medidas para estimular o crédito no país. “O que estamos discutindo e a Fazenda está preparando tem mais a ver com crédito. Vamos levantar um pouco as restrições que tinham sido feitas no início do ano, as tais medidas macroprudenciais”, informou hoje o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel.
O Ministério da Fazenda vai reduzir a alíquota do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) incidente nas operações de crédito feitas por pessoas físicas. Em abril deste ano, o ministro Guido Mantega dobrou a alíquota do tributo, de 1,5% para 3%, para moderar o consumo. Agora, deve reverter a medida, segundo apurou o Grupo Estado.
O governo também prepara desonerações tributárias para setores específicos, como fez na crise de 2008. O que se aguarda agora é a definição do melhor momento (timing) para o anúncio das medidas.
Nesta linha de estímulo, o CMN (Conselho Monetário Nacional) aprovou ontem nova regra que favorece bancos pequenos e médios nas operações de venda de carteiras de crédito. Pimentel lembrou que o BC (Banco Central) já relativizou algumas destas medidas de aperto do crédito, impostas entre o final de 2010 e o início deste ano, mas afirmou que novas alterações serão realizadas no máximo até a próxima semana. “Porque varejo é basicamente crédito”, disse o ministro.
No início de novembro, o BC reduziu o volume de dinheiro que os bancos precisam manter em reserva para realizar empréstimos de curto e médio prazos. A medida abre espaço para estimular o consumo no fim do ano. O BC também desistiu de elevar o pagamento mínimo do cartão de crédito, que passaria de 15% para 20% do valor da fatura este mês. O início do ciclo de corte da taxa básica de juros também produz efeitos positivos para o mercado de crédito.
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, reuniu-se nos últimos dias, em São Paulo, com empresários e representantes de entidades financeiras, ligadas à indústria e ao varejo, para “sentir o pulso” atual da atividade econômica e captar como anda o “termômetro” do crédito no país.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email