10 de abril de 2021

Gordura saturada é a principal responsável por aumento de peso

UERJ aponta que qualidade do lipídio é mais importante do que quantidade

Pesquisa realizada no Laboratório de Morfologia e Morfometria Cardiovascular do Instituto de Biologia Roberto Alcântara Gomes da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) mostra que as gorduras saturadas levam a um aumento três vezes maior da massa corporal em relação às não saturadas quando ingeridas na mesma quantidade.
“A novidade é que a qualidade do lipídio é mais importante do que a quantidade ingerida”, disse a coordenadora do estudo, Marcia Águila.
O estudo visa investigar como os diferentes tipos estruturais de lipídios conhecidos atuam no acúmulo de gordura corpórea e visceral. Na metodologia, camundongos foram distribuídos em grupos recebendo a mesma quantidade de alimento: um grupo de controle recebeu dieta padrão (para roedores), com 10% de lipídios e quatro grupos receberam diferentes dietas hiperlipídicas (“banha de porco”, “óleo de oliva”, “óleo de canola” e “óleo de girassol”) que continham 50% de lipídios, simulando projeção do consumo real da população ocidental.
Os animais que consumiram gorduras poliinsaturadas (óleo de girassol e óleo de canola) e monoinsaturadas (óleo de oliva) aumentaram em 6% a massa corporal quando comparados ao grupo de controle. Os animais que receberam gorduras saturadas (“banha de porco”) apresentaram percentual quase três vezes maior: o aumento foi de 17% no peso na mesma comparação.

Processos inflamatórios

Além dos lipídios insaturados não apresentarem muita influência no ganho de massa corporal, ainda atuam como proteção cardiovascular, mostrou o estudo. A nutricionista revela que já coordenou outros estudos sobre o consumo desse tipo de lipídio e as respostas obtidas indicaram a diminuição da pressão arterial e a proteção das estruturas cardíacas e hepáticas, diminuindo e revertendo os processos inflamatórios dos tecidos desencadeado pelo sobrepeso. Na dieta humana, são encontrados principalmente nos óleos vegetais, como o azeite extra virgem, mas também em alguns alimentos, como milho, amendoim e peixes, entre outros.

Citocinas agem como corpo estranho no organismo

A pesquisa confirma o que outros estudos já haviam demonstrado: que as gorduras saturadas são extremamente prejudiciais à saúde. Mas, foi além ao indicar que são as vilãs do acúmulo de gordura corpórea e, portanto, responsáveis pelo desencadeamento dos processos inflamatórios. A gordura causa o enrijecimento de estruturas celulares (membrana plasmática) e, consequentemente, provoca diminuição da taxa metabólica basal.
Márcia Águila explica que o sobrepeso, em uma pessoa, indica que os órgãos internos estão envoltos em gordura, inclusive o próprio tecido adiposo. A gordura visceral libera substâncias (citocinas) que atuam como um corpo estranho. Inicia-se, assim, o processo inflamatório no tecido, o que desregula ou diminui suas funções orgânicas.

Sedentarismo e estresse

As gorduras saturadas estão presentes em muitos alimentos do consumo popular, como doces e salgadinhos. Márcia reforça que o grande vilão para a obesidade é o excesso na alimentação, somado ao sedentarismo e ao estresse. Se a população obesa não para de crescer, um tratamento relativamente simples pode ajudar a reverter essa tendência. “Um paciente com síndrome metabólica, independente do grau, pode reverter seu quadro clínico com perda de peso e exercício físico regular”, concluiu.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email