Gigantes se curvam aos games

Com um mercado global de cerca de 2,7 bilhões de consumidores, a indústria dos games é um dos atrativos de ouro na máquina do entretenimento –e as empresas estão cada vez mais preocupadas em explorar esse potencial.

No Brasil, parece que as grandes companhias já vislumbram as possibilidades de fazer dinheiro com essa indústria, já que Ambev e Nubank entram de vez na jogada (e na jogatina). As empresas lançaram nesta segunda-feira (2), o projeto Good Game WP, que promete ser um circuito competitivo no cenário de esports nacional, além de uma plataforma que agrega conteúdo, entretenimento e outras experiências para os amantes dos jogos. 

Segundo as empresas, a iniciativa, que por enquanto mantém seus planos de operar apenas online por conta da pandemia, deve realizar três eventos presenciais em 2022 em São Paulo, Recife e Porto Alegre, com um público estimado de 600 mil pessoas.

Campeonatos com premiação de R$ 200 mil em dinheiro e conteúdos exclusivos em plataformas como Twitch e YouTube são a aposta da Good Game para esse ano, por enquanto. As principais modalidades do esport brasileiro estão contempladas na iniciativa. Portanto, podemos esperar eventos e aparições de pro players de League of Legends (LoL), Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO), Free Fire e Valorant.

Ainda nesta segunda, a plataforma irá iniciar os trabalhos. Transmissões ao vivo em seus canais no YouTube e na Twitch, com a apresentação da jornalista Bárbara Gutierrez e o influenciador Henrytado, irão agitar as redes no primeiro dia da Good Game WP.PUBLICIDADE

Ainda de acordo com as empresas, campeonatos poderão ter profissionais disputando com amadores. Os pro-players e streamers do projeto serão anunciados em breve.

Segundo a Ambev, a iniciativa conversa diretamente com o raciocínio de inovar e transformar seus produtos e ideias e traz para perto o público gamer da companhia. O próprio nome do projeto demonstra essa tentativa de conversar melhor com esse nicho: “Good Game Well Played”, ou GG WP, são siglas muito usadas pela comunidade gamer, que significam, respectivamente, “Bom jogo” e “Bem jogado”, na tradução literal. É uma cordialidade entre jogadores ao fim de uma partida.

“Aqui na Ambev, nossa forma de atuar vai muito além de pensar em inovações em produtos ou serviços. Olhamos para tudo que tenha potencial de fomentar novas ideias e experiências para os consumidores. Lançar um projeto para o público gamer, idealizado por pessoas do nosso time que são desse universo, faz parte dessa nossa transformação”, diz Daniel Wakswaser, vice-presidente de Marketing da Ambev.

Já o Nubank, que faz sua primeira aposta no público gamer de olho em um mercado que pode movimentar uma receita de US$ 2,3 bilhões em 2021, segundo pesquisa feita pela empresa de análise do mercado gamer Newzoo, espera com o investimento democratizar o acesso ao mercado

“Estamos muito felizes em anunciar nossa participação em um projeto como esse, que une atletas e amadores para competir no que já é um dos esportes mais populares do mundo. O público gamer sempre teve um relacionamento próximo com a marca do Nubank e vemos o circuito como uma oportunidade de reforçar a democratização do acesso a esse mercado para um público cada vez maior”, afirma Cristina Junqueira, cofundadora do Nubank e colunista da EXAME.

Foto/Destaque: Divulgação

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email