Gasolina e álcool ficam mais baratos

De acordo com a ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), assim como em julho, o álcool foi o combustível com maior redução de preços em agosto. Caiu 2,81% -foi de R$ 1,401 no mês passado para R$ 1,361 agora. O Estado com o álcool mais barato é Goiás, com preço médio de R$ 1,125 -11% a menos do que em julho (R$ 1,264).
Em seguida ficaram São Paulo (R$ 1,131) e Mato Grosso (R$ 1,195). Os mais caros são encontrados em Roraima (R$ 2,065), Acre (R$ 1,98) e Amapá (R$ 1,961).
Já a gasolina, provavelmente influenciada pela queda no álcool, também teve redução. Segundo o levantamento, o combustível tem preço médio nacional de R$ 2,487 -0,4% a menos do que em julho (R$ 2,497). O Amapá é o Estado onde é encontrada a gasolina mais barata, com preço médio de R$ 2,215.
Goiás (R$ 2,287) e Minas Gerais (R$ 2,375) aparecem em seguida. Já os mais caros estão no Acre (R$ 2,865), Alagoas (R$ 2,824) e Mato Grosso (R$ 2,762). Em São Paulo, o preço médio da gasolina está em R$ 2,386.
O GNV por sua vez foi o combustível com maior alta de preços. O metro cúbico custou em média R$ 1,337, com alta de 0,67% sobre a média de julho (R$ 1,328).
O combustível pode ser encontrado mais barato em São Paulo, com preço médio de R$ 1,152 -0,43% a menos do que em julho.
Depois ficam os Estados de Rio de Janeiro (R$ 1,272) e Amazonas (R$ 1,399). Os mais caros na média ficam na Paraíba (R$ 1,698), Alagoas (R$ 1,69) e Rio Grande do Sul (R$ 1,648). O diesel também ficou mais caro. Em julho custava R$ 1,854 o litro, e passou para R$ 1,857 neste mês -alta de 0,16% no período.
O combustível tem o seu menor preço médio no Estado do Rio de Janeiro, onde custa R$ 1,809 o litro.
No ranking aparecem em seguida Minas Gerais (R$ 1,813) e Rio Grande do Norte (R$ 1,82). Na outra ponta, os Estados onde o produto está mais caro são Acre (R$ 2,218), Roraima (R$ 2,202) e Mato Grosso (R$ 2,062).
Os preços de todos os Estados, separados por postos analisados e tipos de combustível, estão disponíveis no site na ANP.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email