Funcionários vão cruzar os braços

Funcionários do núcleo de pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) farão hoje um dia de paralisação, e um ato às 10h em frente ao prédio da diretoria de pesquisa, na avenida Chile, Centro do Rio.
Diretora do Assibge (Sindicato Nacional dos Trabalhadores em Fundações Públicas Federais de Geografia e Estatísticas), Ana Magni disse que “há um sentimento de indignação” na categoria devido à suspensão da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua).
Ela ressaltou que 45 técnicos do núcleo de pesquisa expressaram, por meio de nota, seu descontentamento com o fato, e reforçaram que não havia necessidade de suspensão da divulgação da Pnad, como decidiu a diretoria executiva do IBGE há cinco dias.
Também estão previstos atos coordenados pelo sindicato em outras sedes do IBGE pelo Brasil.
A Diretoria de Pesquisas era comandada por Márcia Quintslr, que pediu exoneração por não concordar com a decisão de adiar a divulgação da Pnad Contínua apenas para 6 de janeiro de 2015.
A ex-coordenadora-geral da Ence (Escola Nacional de Ciências Estatísticas) Denise Britz do Nascimento Silva, também acabou pedindo exoneração.

Entenda o caso
A crise começou com o anúncio da presidente do instituto, Wasmália Bivar, na quinta-feira (10), de que a Pnad Contínua ficaria suspensa para que se aprimorasse a metodologia de cálculo da renda domiciliar per capita, de forma a atender as exigências previstas na lei complementar nº 143/2013.
De acordo com a legislação, o indicador passa a servir como base para o rateio do FPE (Fundo de Participação dos Estados). Os funcionários argumentam, no entanto, que uma coisa não tem nada a ver com a outra, e que a suspensão da divulgação não tem qualquer fundamento técnico.
A ministra Miriam Belchior (Planejamento) negou ontem que o governo tenha interferido na decisão do IBGE de suspender a pesquisa ampliada sobre o desemprego no país.
Com dados mais completos sobre o mercado de trabalho em todo o país, a pesquisa mostrou desemprego de 7,1% no ano passado, enquanto o levantamento mais tradicional, limitado às seis maiores regiões metropolitanas, apontou uma taxa de 5,4%.
Anunciada na semana passada, a decisão de interromper a nova pesquisa provocou crise no IBGE, com pedido de demissão da diretora encarregada e críticas da área técnica.
“O IBGE tem plena autonomia”, disse a ministra, que repetiu a explicação oficial segundo a qual a interrupção da pesquisa foi motivada por dificuldades operacionais do instituto.
De acordo com a versão, o trabalho terá de incluir a partir de janeiro de 2015 dados sobre a renda familiar nos Estados, enquanto o IBGE havia se programado para obter esses números apenas em dezembro do próximo ano.
A estatística sobre a renda familiar se tornou obrigatória devido a novas regras aprovadas pelo Congresso para a repartição de verbas entre os Estados.
A ministra argumentou que o governo não tem motivos para esconder resultados historicamente favoráveis do mercado de trabalho.
“Não temos medo do debate sobre emprego”, disse.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email