27 de fevereiro de 2021

Fraudes no auxílio emergencial detectadas no interior

As fraudes no auxilio emergencial destinado pelo governo federal também chegam a Tabatinga (a 1.106 quilômetros de Manaus), no Alto Rio Solimões. Pelo menos 70 pessoas denunciaram que foram lesadas na cidade. Os beneficiários perceberam as irregularidades ao tentar fazer o saque na agência da CEF (Caixa Econômica Federal) no município, que fica na região da tríplice fronteira, no extremo oeste do Amazonas.

Sem explicação, o dinheiro concedido a milhões de brasileiros neste momento de pandemia foi parar em contas de terceiros não identificadas, segundo a CEF. O banco apura os casos e informou que vai ressarcir as vítimas do golpe, mas só aquelas que registrarem o BO (Boletim de Ocorrência). É a exigência para a devolução dos recursos.

A Polícia Civil desconfia que parentes, amigos ou pessoas conhecidas do titular da conta eletrônica estejam envolvidos no esquema. Na sexta-feira (26), dia de pagamento do auxílio, dezenas de pessoas saíram frustradas da agência da CEF em Tabatinga ao receberem a notícia de que não havia nada para receber, mesmo após serem informadas sobre o depósito pelo aplicativo Caixa Tem.

 “A Caixa Econômica Federal encaminhará essas situações para o Departamento da Polícia Federal. Lá, será definido se as investigações criminais serão de competência da Polícia Civil ou da PF”, disse a delegada da Polícia Civil em Tabatinga, Mary Anne Mendes Trovão.  

Na tentativa de reaver o auxílio o quanto antes, muitas pessoas lesadas também têm procurado o Departamento da Polícia Federal em Tabatinga para denunciar o crime. Lá, são informadas de que o dinheiro só será possivelmente ressarcido após uma análise mais acurada da CEF sobre as transações ilegais.

Enquanto isso, resta às vítimas aguardarem a comprovação das fraudes para o ressarcimento do auxílio que não deverá acontecer tão cedo. Para muitos, o recebimento do dinheiro que chegaria em boa hora para ajudar na alimentação e outras despesas básicas virou agora um pesadelo.

“A Caixa Econômica vai analisar o processo. O banco tem um canal direto com a Polícia Federal. Posteriormente, se for identificado que houve realmente fraude, a CEF vai comunicar à PF o ressarcimento das pessoas lesadas. Só a partir daí, então, é que daremos início às investigações para identificar os envolvidos nas irregularidades”, disse o delegado da PF em Tabatinga, João Paulo Correia Silva.

A dona de casa Laíza Alves, uma das vítimas do golpe em Tabatinga, conta que deixou para sacar as duas parcelas do auxílio emergencial na sexta-feira (26). E, ao chegar à agência da Caixa, ficou sabendo que parte dos R$ 1.200 tinha sido transferida para uma conta desconhecida. E o restante foi usado para pagar compras na internet com um e-mail falso.

“Eu quero que a Justiça tome conhecimento dessa situação. Até o banco mesmo para ver o que está acontecendo”, disse ela, sem esconder a frustração por não ter recebido o auxílio emergencial.

A Caixa Econômica informou que atua em conjunto com as forças de segurança para combater as fraudes no auxílio emergencial do governo. E que, comprovada a irregularidade no pagamento, as pessoas lesadas são ressarcidas e podem receber o benefício em qualquer agência do banco.

O TCU (Tribunal de Contas da União) anunciou que 620 mil pessoas receberam o auxílio emergencial ser ter direito ao benefício em todo o País, segundo a reportagem veiculada, nesse domingo (26), no programa ‘Fantástico’, da Rede Globo de Televisão.

Até mulheres de políticos tiveram a ajuda financeira, enquanto pessoas mais pobres e necessitadas foram relegadas. De acordo com o tribunal, os cofres públicos podem ter um prejuízo de R$ 1 bilhão se esses pagamentos indevidos não forem interrompidos.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email