Fomento ao setor produtivo avança 52,46% até agosto

A procura pelo microcrédito na Afeam (Agência de Fomento do Estado do Amazonas), aumentou 10,49% em termos de números de operações e 52,46% em volume financiado na comparação do acumulado até agosto, em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2009, o número de operações chegou a 9.005, com R$ 48,8 milhões injetados no setor produtivo da região. Neste ano, a quantidade de contratos subiu para 9.950, totalizando R$ 74,4 milhões em volume.
Embora não informe os números do ano passado para um comparativo, a assessoria de imprensa do Banco da Gente, informa que a instituição municipal já liberou neste ano mais de R$ 1,5 milhão em empréstimos a 334 pequenos e microempresários de Manaus. A média financiada por empresário é de R$ 5.000.
Na avaliação do presidente da Afeam, Pedro Falabella, a estratégia de diferenciar a taxa de juros para o microcrédito conforme o tamanho do bolso do empreendedor é o que mais tem atraído pequenos e microempresários. “O grande crescimento nas operações e no volume de crédito é a prova de que o empreendedor do Amazonas está mais atento às oportunidades e às facilidades que um financiamento pode trazer para consolidar seu negócio”, ressaltou.
O dirigente dá como exemplo dessa política os juros aplicados aos tomadores inseridos nas categorias de mini e pequenos produtores rurais, que equivale a 6% ao ano e 0,49% ao mês. Há ainda, a concessão de bônus de adimplência para o empreendedor com as contas em dia. Para estes, o desconto na dívida pode chegar a 25% do principal. Para as microempresas e pessoas físicas, os juros são de 7% ao ano e de 0,57% ao mês. Pequenas empresas pagam remuneração de 10% ao ano e de 0,80% ao mês, com direito ao bônus de adimplência.
O Banco da Gente salientou, por meio de sua assessoria de imprensa, que a importância do microcrédito reside em proporcionar aos empresários de micro e pequenos negócios condições de adequação ao mercado. O banco busca viabilizar a obtenção de garantias proporcionais, prazos compatíveis, limites de financiamento, juros e outros encargos diferenciados ou favorecidos em função de aspectos sociais, econômicos e tecnológicos. Segundo a assessoria, a meta da instituição é implementar uma filosofia de crédito pluralista que, de fato, beneficie e promova o desenvolvimento das empresas de micro e pequeno porte.
A gerente da Unidade de Acesso a Serviços Financeiros do Sebrae-AM (Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa do Estado do Amazonas), Lamisse Said da Silva Cavalcanti, explica que o microcrédito funciona de forma mais ágil e menos burocrática do que as operações de financiamento convencionais da rede bancária. “O órgão é o agente técnico que atua em parceria das instituições financeiras. Na prática, é o canal de orientação ao candidato e elabora a proposta/projeto técnico-econômico financeiro para fins de financiamento”, comentou.

Inadimplência em queda

Conforme a Afeam, o percentual de inadimplência nas operações realizadas pelo órgão recuou de 9,53%, em agosto do ano passado, para 5,22%, no mês passado. No final de julho, a instituição perdoou R$ 35,42 milhões em dívidas acumuladas por financiamentos contraídos até o final do primeiro semestre. Grande parte dos contemplados com o perdão é formada por produtores rurais, comerciantes, prestadores de serviços e donos de empreendimentos de micro e pequenos portes.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email