16 de maio de 2021

Fisioterapia mostra sua importância na pandemia

Não bastasse a série de sofrimentos que o coronavírus causa a boa parte de pessoas que o contraem, outra boa parte dessas pessoas, quando se vêem livre dele, ainda podem ficar com terríveis sequelas deixadas pelo inimigo mortal. É a denominada síndrome pós-covid-19, condição inflamatória difusa e multissistêmica associada a problemas no sistema nervoso central e músculo esquelético, que podem causar fadiga intensa, dor crônica, fraqueza muscular, dificuldade para respirar e déficits cognitivos, e levar meses para serem sanados. Para explicar melhor sobre como tratar a síndrome pós-covid-19, o Jornal do Commercio ouviu a fisioterapeuta Cláudia Simone Costa da Silva. Desde o surgimento da síndrome, logo após o fim dos primeiros casos da doença em Manaus, começaram a aparecer os primeiros pacientes com o problema em sua clínica Beleza Viva Personal Studio, @belezavivamanaus.      

Cláudia: muito importante para tratar síndrome pós-covid-19
Foto: Divulgação

Jornal do Commercio: O que é a fisioterapia pós-covid?

Cláudia Simone: A fisioterapia contribui para evitar complicações cardiorrespiratórias e motoras em indivíduos hospitalizados, bem como recupera a funcionalidade, principalmente da capacidade pulmonar e aeróbica daqueles que tiveram a doença. Ainda não há estudos conclusivos sobre a extensão das sequelas da covid-19, porém, uma parcela significativa dos doentes recuperados continua necessitando de assistência fisioterapêutica após a alta hospitalar.

JC: Quais as sequelas mais comuns nos pacientes que a tem procurado? 

CS: Redução da capacidade pulmonar, dores musculares e articulares, alterações neurológicas como perda de equilíbrio e sensibilidade, e fraqueza muscular generalizada com sensação de fadiga têm sido observadas mesmo entre os pacientes que não evoluíram para quadro críticos, evidenciando a necessidade de acompanhamento após a desospitalização. Nos casos mais graves, é possível que haja sequelas permanentes, como a fibrose pulmonar, uma doença crônica caracterizada pela formação de cicatrizes no tecido pulmonar.   

JC: O tratamento é o mesmo para cada problema, ou existem vários tipos?

CS: O tratamento é feito após o fisioterapeuta realizar uma avaliação completa e elaborar um plano de tratamento individualizado e progressivo, com um olhar sobre a recuperação da funcionalidade do paciente, podendo ser feito de forma remota ou não, e sempre visando a recuperação da aptidão física, melhora da falta de ar, da fraqueza muscular, restabelecimento da massa muscular, incluindo músculos respiratórios.   

JC: As sequelas têm cura, ou serão crônicas?

CS: Por se tratar de uma doença ainda pouco conhecida pela comunidade científica, alguns profissionais pontuam que não é possível determinar um prazo específico para a sua duração. Ainda não dá para afirmar o tempo de recuperação dos pacientes. Os idosos e portadores de doenças cardiovasculares e cerebrovasculares preexistentes, geralmente necessitam de uma reabilitação mais prolongada.

JC: Essas sequelas são características de pessoas que já tinham algum tipo de comorbidade, ou pessoas saudáveis podem ficar com elas, também? 

CS: As sequelas podem surgir tanto em pacientes com comodidades quanto em pacientes saudáveis. Acompanhei o caso de um paciente jovem que teve miocardite associada à covid-19, seguida de uma insuficiência cardíaca. Tem paciente jovem, com nenhuma comorbidade, entre 30 e 40 anos que, quatro meses depois da doença, evoluiu para uma síndrome de cansaço crônico, fadiga e mal estar. Ainda há casos de pacientes que, cinco meses depois da contaminação, não recuperaram 100% do olfato. A depender do grau e do tempo que estas sequelas estão presentes, uma parte volta, outra não. Quem tem fibrose pulmonar e insuficiência cardíaca, não se recupera.

JC: O que causa essas sequelas, seria alguma lesão no sistema nervoso central?  

CS: Já se tem mais clareza sobre como a doença se manifesta em órgãos como o coração, os pulmões e os rins. Mas hoje, passado o susto inicial da explosão de casos, o principal foco de dúvidas da medicina diz respeito às consequências para o sistema nervoso, que coordena o comportamento, as funções vitais, os reflexos e os movimentos. No mundo, há relatos de pacientes que, mesmo após a infecção, tiveram dores intensas de cabeça (cefaléia), epilepsia, complicações de AVE (Acidente Vascular Encefálico) e, em situações mais raras, síndrome de Guillain-Barré. Isso fora a perda do olfato e do paladar, bastante frequentes. O impacto do novo coronavírus no sistema nervoso é incerto. Alguns estudos para entender esses efeitos estão sendo realizados. Isso ainda é muito desconhecido.

JC: Qual o tempo de tratamento até o paciente ficar curado? 

CS: O período para a reabilitação varia conforme o paciente. A ideia inicial da sessão de fisioterapia prevê 10, 20 ou 30 sessões, entre avaliação, atendimentos e reavaliação. Essas sessões podem ocorrer entre duas a três vezes na semana, de acordo com a disponibilidade do paciente. Precisamos respeitar a resposta do paciente, porque no início ele cansa muito fácil, tem fadiga. Pessoas com condições mais graves, como AVC, também demandam mais tempo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email