Financiamento para empresas no Brasil é inadequado e caro, diz Firjan

A expansão da capacidade de produção industrial está condicionada às alternativas e ao padrão de financiamento do setor, afirmou na quinta-feira, na solenidade de abertura do 20º Congresso da Apimec (Associação dos Analistas e Profissionais do Mercado Financeiro), no Rio, o presidente da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), Eduardo Eugenio Gouvea Vieira.
Ele avaliou, entretanto, que infelizmente o financiamento das empresas no Brasil é inadequado, insuficiente e caro. Segundo Gouvea, o saldo das operações de crédito do sistema financeiro no país do setor privado representa cerca de 25% do PIB (Produto Interno Bruto), que é a soma das riquezas produzidas no país, enquanto no Chile esse número alcança 68%, nos Estados Unidos 73% e na Europa é superior a 100%.
Além da escassez de recursos, o presidente da Firjan disse que outro entrave ao financiamento do setor produtivo é o elevado spread (taxa de remuneração) bancário, que faz com que a taxa de juros para o tomador de empréstimos seja muito maior do que a taxa básica da economia. Por isso, Gouvea indicou a necessidade de fomento do mercado de capitais. É fundamental para o desenvolvimento de todas as empresas, especificamente da indústria e para o crescimento econômico do país.
O empresário destacou que o mercado de capitais aproxima as indústrias dos investidores, além de poder gerar recursos a um custo que garante competitividade aos empreendimentos. Gouvea analisou, porém, que os recursos fornecidos pelo mercado de capitais ainda são escassos no Brasil. Informou que a taxa de capitalização bursátil (valor de mercado das empresas emissoras de ações integrantes da carteira teórica dos índices) atinge em torno de 50% no Brasil, contra 100% no Chile e 182% nos Estados Unidos. Para o presidente da Firjan, o desenvolvimento do mercado de capitais é estratégico para a indústria e deve ser estimulado porque constitui uma alternativa de financiamento direto e a custo mais baixo.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email