Fim da redução do IPI traz pessimismo

A menos de duas semanas para o fim da redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) sobre veículos novos, autorizado em junho pelo governo federal, empresários das concessionárias de Manaus temem pelo fim da ‘trégua’ e calculam queda de 50% nas vendas já em setembro.
No início deste mês o ministro da Fazenda, Guido Mantega, confirmou o vencimento da medida para o dia 31 de agosto e sinalizou que não iria prorrogar o benefício.
O gerente de vendas da Garcia Veículos, Edilson Brito, por exemplo, mesmo sem ter os números fechados de agosto, diz que a saída de veículos está em um ritmo positivo. “Bem melhor do que no início do ano quando os pátios estavam lotados”, comentou.
“Mas, sem a medida, voltaremos à estaca zero porque a concessão de crédito pelos bancos continua difícil e com o produto voltando ao valor que era vendido antes. Nossa estimativa é de que as vendas caiam pela metade”, lamentou.
Ele conta que a concessionária já avalia estratégias junto à montadora para iniciar promoções a partir de setembro “e uma campanha está sendo preparada para chamar os clientes até o dia 31 para adquirirem seu carro zero ainda com o IPI reduzido”, complementou.
No entanto, o presidente da ACA (Associação Comercial do Amazonas), Ismael Bicharra, diz não acreditar que a medida do governo federal será finalizada agora.
“Estamos presenciando queda constante no PIB (Produto Interno Bruto), uma estagnação econômica causada pelo período eleitoral e por um processo de desindustrialização de grande parte das fábricas brasileiras. No caso do PIM, a produção e venda de motos ainda passa por grandes dificuldades. A única indústria forte atualmente no Brasil é a automobilística, por isso não acho que será interessante para o governo cancelar o benefício neste momento”, avaliou.
Ele lembra que com a liberação do IPI, de 4 mil a 7 mil automóveis novos foram vendidos todos os meses no país inteiro. “Se o benefício for cortado agora o aumento no preço do veículo será inevitável, por isso, nossa aposta é de continuação do IPI reduzido e de um segundo semestre forte para as concessionárias”, constatou.
O vice-presidente do Corecon-AM (Conselho Regional de Economia do Amazonas), Francisco de Assis Mourão Júnior, concorda que caso a redução não seja prorrogada, a queda será brutal, mas também confia no bom senso do governo federal.
“Existe uma forte pressão por parte do empresariado e dos sindicatos do segmento nesse sentido. Além disso, a medida precisa de mais tempo para surtir o efeito necessário que é o de fazer os bancos diminuírem o rigor de liberação de crédito, o que ainda não ocorreu”, detalhou.
Segundo ele, as famílias seguem endividadas e o índice de inadimplência ainda é alto o que não proporciona tranquilidade às financeiras para amenizar as medidas de restrição ao crédito. Por enquanto, os bancos seguem exigindo entradas de até 30% do valor do automóvel e o cliente ainda precisa de um histórico impecável de bom pagador.

Mudança de rota

As empresas saíram de uma queda de 4,8%, de janeiro a maio, para um aumento das vendas de 1,5%, no acumulado do ano até julho.
A venda de automóveis no Amazonas (incluindo comerciais leves) saiu de uma queda de 16,19% no acumulado de janeiro a maio desse ano para uma recuperação gradual a partir de junho, quando a medida entrou em vigor.
De acordo com dados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), com 2.943 emplacamentos, os números subiram 10,85% na passagem de maio para junho e 11,42% de junho para julho, mês em que 3,279 automóveis foram emplacados.
Ainda com a redução do IPI, as concessionárias amazonenses acumulam queda de 12,34% no acumulado entre janeiro e julho deste ano (dados mais recentes da Fenabrave). Foram vendidos 18.119 unidades no período contra 20.670 de igual período do ano passado.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email