A Fiat apresentou nesta quinta-feira (22) a primeira grande reformulação da Fiat Toro desde seu lançamento em 2015. As mudanças trazem retoques no visual externo, um interior mais tecnológico e um novo motor, talvez a maior novidade.

Por fora, nas versões mais baratas, somente os mais atentos vão perceber as mudanças. A picape mantém o filete de LED abaixo do capô e o farol mais baixo –com lâmpadas de LED– ao lado da grade, que recebeu frisos cromados. Nas versões mais caras, Ultra e Ranch, a troca é mais profunda com uma grade maior no estilo Ram, marca especializada em picapes do grupo Stellantis, o mesmo da Fiat.

O capô ganhou o que a Fiat chama de ‘músculos’, mas são vincos mais pronunciados. A grade troca o logotipo da marca pelo nome em letras maiores, como já aconteceu com outros modelos. Na traseira nada muda.

Por dentro, quem entrar nas versões mais completas vai se assustar com a central multimídia, que agora é um tablet horizontal no meio do console central. Ele vai concentrar informações de ar-condicionado, computador de bordo, GPS, rádio e demais funções. A tela é de 10,1″. As opções mais simples têm a tela tradicional de 8,4″ que estreou na Strada.
Um defeito interno foi corrigido, que é a falta de porta-objetos. Agora, abaixo do console, ao invés de um simples porta-copos, a picape ganha uma bandeja que carrega o celular por indução em aparelhos compatíveis.

A picape ganha o sistema Connect Me, que leva alguns comandos e informações do carro para um aplicativo de celular, como ver o nível de combustível, chamar assistência mecânica, limitar a velocidade e localizar o veículo em caso de furto ou roubo, entre outras funções.

Turbinada A maior novidade, no entanto, é a adoção do novo motor 1.3 de quatro cilindros turbo, que também estará no novo Compass. Ele rende até 185 cv de potência com etanol e fica nos 180 cv com gasolina. A injeção de combustível é direta dentro dos cilindros. A proposta é melhorar o desempenho e reduzir o consumo.

A nova opção não substitui o antigo 1.8 de até 139 cv que permanece na versão de entrada Freedom. A transmissão é sempre automática de seis marchas e a tração é dianteira.

O que também não muda é o motor a diesel de 170 cv. Ele segue presente nas versões mais caras, e opcional nas intermediárias. Neste caso, o câmbio automático tem nove marchas e a tração é nas quatro rodas com seletor por botões abaixo do comando de ar-condicionado.

Além da motorização, a Toro ganhou outras melhorias mecânicas, como a suspensão recalibrada. Segundo a Fiat, com isso, a picape ficou mais silenciosa e confortável. A marca também promete mais estabilidade e conta com ajuda eletrônica para isso.

Além do controle de tração tradicional, toda versão 4×2 vem com o bloqueio de diferencial automático. Ele detecta se uma roda perde a tração, freia esta peça e transfere toda a força do motor para a do outro lado. Na teoria, a função ajuda a sair de atoleiros.

Assistência ao motorista

As versões topo de linha da Fiat Toro vão contar com equipamentos que auxiliam o motorista. Há, por exemplo, a frenagem automática. Uma câmera na frente do veículo detecta um carro à frente e emite um aviso. Se o condutor não tomar nenhuma atitude, o sistema pode parar a picape por completo.

A mesma câmera também atua em outras funções, como a alternância do faro alto e baixo automaticamente e o detector de faixas. Se ela “vê” que o motorista está avançando sobre a sinalização no asfalto, um uma luz acende no painel, além do volante vibrar. O equipamento, porém, não é capaz de virar a direção sozinho.

Essas funções são de série nas versões Ranch e Ultra e opcionais nas opções Freedom e Volcano.

Em breve mais informações e preços.

Foto/Destaque: Divulgação
Fonte: Folhapress

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email