Feiras e workshop movimentam economia no setor de turismo

Toda vez que uma empresa do ramo do turismo se dispõe a participar de um evento com abrangência nacional e internacional, uma série de ações se desencadeiam gerando inúmeros benefícios para a população do Estado onde a companhia estiver sediada, mas quando um super evento reúne mais de 550 empresas do ramo, o que acontece?

Apostando no aquecimento do mercado do turismo em todos os seus segmentos, o setor aéreo compareceu em peso ao 16º Workshop CVC: TAM, Gol, Azul, Ocean Air e Trip Web Jet disputam acirradamente a atenção dos cerca de 12 mil agentes de viagens escritos no evento.

Vindos de todo os Estados da federação os mais diversos produtos turísticos podem ser encontrados no maior evento privado do mundo do turismo. Ano a ano o evento cresce atraindo cada vez mais a atenção de investidores dado a seriedade da CVC, e o retorno a curto prazo para quem investe e acredita no crescimento do setor.

O que chama a atenção, ano após ano, no Workshop CVC é o investimento por parte dos empresários na apresentação de seus produtos a serem expostos durante o evento. A busca por modernas técnicas de sinalização visual torna o acontecimento dinâmico, futurístico elegante e super concorrido. A dinâmica de trabalho que a operadora CVC desenvolve junto a seus parceiros atinge um grau de confiabilidade invejável. Os empresários perceberam ao longo dos anos que o evento tem retorno garantido, adequando assim suas linhas de investimentos para o mesmo.

Os benefícios gerados para a indústria do turismo pelos eventos desenvolvidos mundo afora são imensuráveis. Os números apre­sentados baseiam-se em estatísticas na maioria das vezes traçadas para justificar orçamentos “números” e ilustrar relatórios.

Para conhecer melhor essa linha de realidade, nossa equipe visitou as instalações da Expo Center Norte, onde o evento acontece todos os anos. Lá nos deparamos com um verdadeiro exército composto por pessoas vindas de todas as partes do Brasil com o mesmo objetivo: trabalhar, ganhar o pão de cada dia e sobreviver na maior cidade do Brasil e uma das maiores do mun­do, São Paulo. Observem que não estamos falando de expositores de produtos, mas sim dos postos de tra­balhos gerados pela indústria do turismo nos quatro cantos do Bra­sil, as ações realizadas pelo mer­cado do turismo refletem be­nefícios para todas as classes sociais e ao mesmo tempo em diversos setores da economia.

As equipes de montagens, de estandes, serviços gerais, lim­peza, eletricidade, hidráulica, segu­ran­ças, sinalização, decoração de am­bientes, paisagismo e orga­nização do evento absorvem pro­fissionais liberais com distintas qualificações. Esses postos de trabalhos em sua maioria são absorvidos por cida­dãos nordestinos radicados em São Paulo. Paraíba, Pernambuco, Recife, Ceará, Ma­ranhão, Rio Gran­de do Norte, Ser­gipe, Alagoas e Minas Gerais são os Es­ta­dos de origem da maior parte dos profissionais liberais que nossa equipe encontrou prestando serviço para a equipe que for­matou o evento. Entrevistamos mais de 100 pessoas envolvidas e comprometidas com os trabalhos.

Dona Ana Maria, 58, integra há cinco anos a equipe de limpeza. Separada há quatro anos, ela mantém a família composta por seis pessoas e explica que a dignidade de uma dona de casa se adquire com muito trabalho. Ela pa­ga suas contas e mantém a família trabalhando o ano in­teiro nos eventos realizados nas dependências da Expo Center norte e nos pavilhões do parque de exposições do Anhembi.

Dona Maria conta que nunca viajou a turismo. “Son­har em viajar todo mundo so­n­ha, é uma benção de Deus ter saúde e poder trabalhar a­qui onde muita gente vem conhecer os locais que ain­da este ano ou nos outros co­nhecerão”.
Aqui no Estado do Ama­zonas as Empresas Amazon Eco­park, Tiwa Ecoresort, Juma Lodge, Fontur, tropical Hotel e Ariaú Amazon To­wers marcaram presença na grande celebração de pro­dutos comercializados pe­la CVC, onde brindaram agentes de viagens nacionais e estrangeiros com artesanatos amazônico e deliciosas balas confeccionadas a base de cas­tanha e cupuaçu. O Estado do Amazonas também se fez presente com a Amazonastur, tendo à frente a Dra. Oreni Campelo Braga, que preside a entidade.

O sucesso do evento ficou por conta dos produtos que foram expostos com preços e prazos super atraentes.
O encontro do Norte com o Sul, do Sudeste com Centro-Oeste e da Amazônia com o Brasil foi celebrado com a presença de autoridades di­versas. O presidente da CVC, Valter Patriane, rece­beu convidados ilustres e profissionais renomados no mercado do turismo. O even­to, que encerra hoje, contou ontem com a presença dos a­to­res Humberto Martins e Tânia Calil. Humberto, por sua vez, recebeu as dançarinas do ritmo contagiante do boi bumba, Shirley Pimenta e Ster­lai­ne Serra para um sessão de fotografias que encantaram os agentes de viagens.

A ação que marcou o evento ficou por conta da preservação da maior floresta tropical do planeta, a parceria entre o Ho­tel de Selva Ariaú Amazon Towers e o Tropical Manaus po­s­sibilitou a formatação de um estande composto por 63 metros quadrados de área, onde foram expostos ar­te­sanatos das tribos Saterê-Mawé. Deliciosas balas de cu­pu­açu e castanha foram os produtos oferecidos gra­tui­tamente para cerca de 5 mil agentes de viagens, e foram adquiridas direto dos produtores (artesão) sem pa­ssar por nenhum tipo de atravessador.

O ciclo de ações pre­ser­vacionistas foi reforçado por uma placa entalhada em madeira com as seguintes medidas 1.80 X 30 X 02 CM de espessura contendo com as inscrições.

A inscrição em madeira foi fotografada com a presidente da Embratur, Jeanine Pires, o presidente do conselho da CVC, Guilherme Paulus, o presidente da CVC Operadora, Valter Patriane, e uma série de parceiros e apoiadores do evento. Um detalhe importante: o pedaço de madeira utilizado para confecção da placa pode ser encontrado em qualquer ponto do Brasil.

O exemplo de preservação está na valorização dos artefatos de madeiras produzidos pelos nativos da região. O artesão Francisco Salles deu a seguinte declaração: “um dia as pessoas das grandes cidades entenderão que ao transformarmos pedaços de madeira, que na maioria das vezes são jogados no lixo, em peças de uso publicitário, estamos deixando evidente que o potencial amazônico é imensurável e que sua linha de aproveitamento está abaixo dos 50%. Para nós, artesãos que produzimos placas em madeira, pulseiras, colares e uma infinidade de produtos confeccionados a base de insumos da floresta, é uma grande satisfação ver nossos trabalhos sendo reconhecidos por pessoas do mundo inteiro, e gratificando poder dizer foi eu quem fiz”.

O evento Workshop CVC encerrará hoje. As equipes que estiveram presentes ao evento já começam a contabilizar os resultados do investimento, as negociações acontecem em tempo real, os organizadores do Workshop CVC 2010 disponibilizaram internet free de alta velocidade para todos os expositores para que todos os profissionais presentes pudessem consultar suas bases e, por conseqüência, consolidassem suas novas negociações.

Assunto: parceria entre Ariaú Towers e Tropical Hotel proporcionará a entrega de 10 mil brindes confeccionados no Estado do Amazonas por empresas especializadas e artesãos para agentes de viagens no Workshop CVC 2010, maior evento privado no segmento de turismo em todo o planeta.

Esta seção é coordenada por José Ribamar Mendes, “O Caboclo”, que é diretor executivo do Hotel Ariaú Towers

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email