Feira Agropecuária expõe novos bioinsetcidas da Embrapa em Brasília

Os quatro bioinseticidas desenvolvidos pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, uma das 45 unidades da Embrapa, estão entre os destaques no estande da empresa durante a AgroBrasília 2010, encerra no dia 15 de maio.

Os quatro bioinseticidas desenvolvidos pela Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, uma das 45 unidades da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), estão entre os destaques no estande da empresa durante a AgroBrasília 2010, encerra no dia 15 de maio. Os produtos, todos biológicos, ou seja, inofensivos à saúde humana, de animais e ao meio ambiente, são eficazes contra mosquitos transmissores de doenças e pragas agrícolas.
Todos os inseticidas biológicos (Bt-horus; Sphaerus; Ponto.Final e Fim da Picada) foram desenvolvidos em parceria com a empresa do Distrito Federal, Bthek Biotecnologia, e tem em comum a vantagem de serem altamente eficientes contra os insetos, sem causar danos à saúde, ao meio ambiente e a outros insetos benéficos. Saiba mais sobre cada um deles:
O inseticida biológico Bt-horus é capaz de controlar o mosquito transmissor da dengue (Aedes aegypti).
O produto foi desenvolvido a partir da bactéria Bt (Bacilus thuringiensis), específica para controlar o inseto-alvo, amplamente utilizada em programas de controle biológico em todo o mundo e pode ser utilizado em locais que acumulam água, como plantas, lagos, cursos de água e caixas d’água, entre outros.
Basta uma gota do Bt-horus para cada litro de água e as larvas do Aedes aegypti morrem em 24 horas.
O Sphaerus SC foi desenvolvido à base da bactéria Bacillus sphaericus, recomendada pela OMS (Organização Mundial de Saúde) para campanhas de combate a mosquitos transmissores de doenças. No Brasil, principalmente na região amazônica, são registrados cerca de 500 mil casos da doença por ano, sendo a maior causa de mortalidade de crianças de até cinco anos de idade. O Brasil tem o maior número de casos de malária das Américas e ocupa o 3° lugar do mundo na incidência da doença.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email