Faturamento do setor cresce no AM

O faturamento do setor de serviços no Amazonas cresceu 8,9% em outubro, no comparativo com igual mês de 2012, segundo dados da PMS (Pesquisa Mensal de Serviços) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Entretanto as taxas de crescimento vêm sofrendo redução ao longo dos últimos meses. Em agosto o crescimento havia sido de 10,3% e em outubro chegou a 13,8%.
Para o economista da Fecomércio-AM (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Amazonas), José Fernando Pereira da Silva, a redução é reflexo da crise econômica global, que demorou a afetar o segmento, mas que deve ser tendência para os últimos meses do ano. “A economia global está em crise, não recebemos diretamente os reflexos aqui, mas recebemos indiretamente. Embora serviço tenha tido um crescimento bom no ano, ele já começa a apresentar uma redução”, destacou.
O crescimento de outubro ficou abaixo do crescimento anual. Somando os 10 meses do ano, o crescimento do setor no Estado foi de 10,9%, superior à média nacional de 8,5%. Se considerarmos os últimos 12 meses o crescimento no Amazonas é de 10%. Para o presidente da Fecomércio, José Roberto Tadros, uma das justificativas para retração no crescimento é a perda de poder aquisitivo do cidadão. “Vem diminuindo e, obviamente, quando há redução do poder aquisitivo, a pessoa passa a frequentar menos restaurantes a sair menos, pois economiza na gasolina, gasta menos, entre outras coisas”, relatou.
Para Tadros fatores sazonais também explicam a diminuição do avanço. “O excesso de chuva e os efeitos na mobilidade e o aumento da insegurança fazem as pessoas saírem menos e utilizarem menos serviços”, destaca. A saída apontada para manter a taxa de crescimento seria o foco em turismo. “O turismo é o principal fomentador do serviço, movimenta bares, restaurantes, hotéis, transportes e hoje as pessoas tem receio de visitar Manaus. Isso que tem que ser revisto”, destacou.
Para o economista José Fernando, a maior parte desse crescimento do faturamento de serviços vem das concessionárias de serviços públicos, e operadoras de telefonia celular “É o que mais cresce atualmente. Depois temos os bares, restaurantes e hotelaria, que vem se multiplicando com a proximidade da Copa do Mundo”, destacou.
Apesar dos jogos do mundial que serão realizados em Manaus o economista considera difícil fazer uma previsão para o segmento em 2014. “Muito difícil prever. Teremos o Carnaval em março e não em fevereiro e o país só anda depois. A Copa do mundo é em junho e a eleição em seguida, depois já é fim do ano. É um ano muito imprevisível para economia e isso deve refletir em todos os segmentos, qualquer projeção seria só um palpite”, opinou.

Nacional

O faturamento do setor de serviços no Amazonas corresponde a 1,1% do faturamento nacional. Em primeiro lugar vem o Estado de São Paulo com 51,2%, Rio de Janeiro com 11,4 e Minas Gerais com 5,7%. O crescimento do setor no país em outubro ficou um pouco abaixo da do Amazonas, com 8,8%, também sofrendo redução em relação ao crescimento de setembro, que apresentou 9,7% de variação positiva.
O segmento de Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio registrou um crescimento nominal de 9,9%, o crescimento dos Serviços profissionais, administrativos e complementares ficou em 7,2%,os serviços de informação e comunicação registraram crescimento de 7,9% e o segmento de Serviços prestados às famílias registrou no Brasil uma variação de 12,6% em outubro sobre igual mês do ano anterior. O IBGE não divulgou dados regionais sobre os segmentos do setor serviços para o Estado do Amazonas.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email