Fapeam está com inscrições abertas para novos projetos de pesquisa

A transformação de um container em um grande aquário para o desenvolvimento de pesquisas com peixes e outras espécies marítimas, a elaboração de um banco de linhagem de bactérias que causam doenças em peixes, o mapeamento da produção bibliográfica de povos indígenas do Amazonas e a criação de um grupo de estudos em Comunicação, Informação, Design e Artes (Interfaces) são alguns dos projetos de pesquisas financiados pela Fapeam (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas) que já estão funcionando na prática.
Esses projetos tiveram aporte do PPP (Programa Primeiros Projetos), que apoiou a aquisição, instalação, modernização, ampliação ou recuperação da infraestrutura de pesquisa científica e tecnológica nas instituições públicas e particulares. Para dar continuidade ao programa a Fapeam está com as inscrições abertas para novos projetos. Os pesquisadores interessados podem consultar o edital no site da instituição www.fapeam.am.gov.br.
A pesquisadora da Ufam (Universidade Federal do Amazonas), Andréa Belém Costa, que é a responsável pela criação de um banco de linhagem de bactérias, disse que já possui mais de 200 amostras e esse número deve crescer ainda mais com o desenvolvimento de novas pesquisas. Andréa Belém Costa destaca que o banco evitará a perda de grandes investimentos econômicos na piscicultura com a morte de toda uma produção. “Quem produz peixe quer ter lucro. Por isso, é importante dispor de um controle de parasitas e bactérias”, apontou.

Melhoramento genético

Outro projeto financiado pelo PPP e que já está colhendo bons frutos e o da pesquisadora Marcicleide Lima, que promove o melhoramento genético da pupunha em Coari (a 368 quilômetros de Manaus) voltado para produção e comercialização. Ela informou que a ausência de uniformidade no fruto das diversas pupunheiras acaba prejudicando o pequeno produtor que realiza o plantio, cultivo e comercialização. “Com a uniformização dos frutos da pupunha é possível exigir melhores preços no mercado local”, finalizou.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email