Fapeam dispõe de R$ 126 mi para C&TI

O governo do Estado, por meio da Fapeam (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas), terá à disposição cerca de R$ 126 milhões para investir no fomento à pesquisa, em 2012. Desse total, R$ 88 milhões estavam previstos na LOA (Lei Orçamentária Anual) e R$ 38 milhões serão provenientes de captações federais e parcerias com outras instituições.
Os recursos serão investidos no apoio às incubadoras, fortalecimento da pesquisa nas instituições estaduais de saúde, capacitação de funcionários públicos da área de segurança pública, formação de recursos humanos pós-graduados na área de tecnologia da informação e engenharias e bolsas de auxílio-pesquisa. O valor é superior ao de 2011, que foi de R$ 115 milhões, o que representa um crescimento de 9%.
Em relação à formação de recursos humanos, via bolsas de auxílio-pesquisa, a previsão é de que seja investido um montante de R$ 25,5 milhões. A expectativa é que o número de bolsas seja mantido, em relação a 2011, que no total chegaram a 3 mil voltadas para todos os níveis de formação, desde a educação básica até o pós-doutorado, em todas as áreas do conhecimento.
Conforme a diretora-presidente da Fapeam, Maria Olívia Simão, a fundação é uma instituição relativamente nova, que cresce gradativamente. Ela explicou que a fundação oferta fomento à pesquisa, mas segue um processo de prestação de contas rigoroso. “Precisamos crescer com responsabilidade, pois o dinheiro é público e deve ser administrado com zelo”, salientou.
Conforme orientação do governo do Estado, a meta é investir em áreas prioritárias para o Amazonas que gerem negócios, renda e empregos, explicou Simão. Ela citou, por exemplo, os investimentos que serão realizados em incubadoras de base tecnológica, a fim de fortalecer micro e pequenas empresas que industrializam produtos regionais.
“Ajudamos a trazer a diretoria da Rami (Rede Amazônia em Prol do Empreendedorismo e da Inovação) para Manaus. Agora, iremos identificar os melhores planos de negócios que merecem receber investimentos. A identificação ocorrerá por meio do Prêmio Plano de Negócios, que será lançado em 2012”, adiantou.

Mapeamento das incubadoras

De acordo com Simão, foi feito um trabalho de mapeamento das incubadoras existentes no Estado. O levantamento ocorreu em parceria com a Sect-AM (Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia), no sentido de estimular a certificação e o aumento da competitividade nacionalmente.
A meta, segundo Simão, é investir na formação de massa crítica que contribua com o crescimento da inovação tecnológica no Estado. A diretora disse que é preciso transformar as matérias-primas amazônicas em produtos com código de barras. Ela ressaltou que faltam recursos humanos suficientes na área de Tecnologia da Informação e Engenharia, uma vez que os alunos, normalmente, desistem do curso devido à complexidade dos assuntos, mudam de curso ou levam mais tempo para se formar devido ao assedio do mercado de trabalho.
Ambos os programas (RH-TI e Pró-Engenharias) contarão com a participação da Seduc-AM (Secretaria de Estado de Educação do Amazonas) e da Sect. O valor global dos investimentos é de R$ 1,6 milhão, sendo R$ 800 mil para cada edital, oriundos da Fapeam e da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos).

POR DENTRO

Seguindo uma determinação do governo, a fundação está articulando uma parceria com a Seped (Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência). No início de 2012, conforme Simão, funcionários da Fundação, Sect e da Seped vão se reunir para eleger prioridades e desenhar programas para que pesquisadores desenvolvam tecnologias para melhorar a qualidade de vida dessas pessoas.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email