Falências pessoais crescem em setembro com crise de hipotecas

Segundo a pesquisa, o aumento em relação ao ano passado foi de cerca de 69 mil pessoas. Nos primeiros nove meses do ano, o aumento em relação ao mesmo período de 2006 foi de 44,76%, segundo dados do American Bankruptcy Institute e divulgados na terça-feira pelo diário americano.

O trabalho do American Bankruptcy Institute mostrou que as pessoas que declaram falência procuram o “Capítulo 7” da legislação americana que regulamenta as falências e concordatas -de acordo com esse capítulo da legislação, a pessoa têm de se desfazer de ativos (incluindo parte dos ativos imobiliários) para saldar suas dívidas. O procedimento segundo esse capítulo específico tem ainda uma vantagem adicional: o processo de execução da hipoteca é interrompido.

De acordo com o “WSJ”, no entanto, a procura pelo “Capítulo 7” garante um alívio apenas temporário e os que procuram a proteção desse ponto da legislação acabam perdendo seus imóveis.

O jornal destaca que tem crescido a procura pela proteção do “Capítulo 13”, que também interrompe a execução da hipoteca e dá ao devedor um prazo de três a cinco anos para renegociar sua dívida. Para se qualificar à proteção desse ponto da legislação, o devedor tem de ter uma fonte regular de renda e manter-se em dia com os novos pagamentos.

Quatro de cada 10 pessoas que declararam falência o fize-ram pelo “Capítulo 13”, contra três em cada dez em setembro do ano passado.

O registro de que a pessoa procurou proteção sob esse capítulo da legislação permanece no histórico de crédito por 10 anos, o que dificulta a obtenção de alguns tipos de financiamentos.

A crise das hipotecas do segmento “subprime” (de maior risco) atingiu o mercado financeiro dos EUA e de outros países em agosto. Desde o início deste ano, a inadimplência nesse segmento do mercado vinha aumentando e em agosto o banco BNP Paribas suspendeu resgates em fundos que tinha aplicações em papeis baseados nessas hipotecas.

A partir de então, e até setembro, os mercados financeiros mundiais passaram por um momento de crise –as Bolsas nos EUA chegaram a cair mais de 3% em um único dia em agosto.

O Federal Reserve (Fed, o BC americano) agiu através do corte da taxa de redesconto (usada pelo Fed para conceder empréstimos de curto prazo a instituições com escassez temporária de liquidez causada por problemas internos ou externos), para 5,75%, e da taxa dos fundos federais (a principal da política monetária americana), para 4,75%, a fim de evitar uma crise de liquidez no sistema bancário e de que a crise financeira atingisse a economia real.

Os mercados ao redor do mundo continuam preocupa-dos com o setor imobiliário nos EUA que atravessa um boom nos últimos anos. O medo principal é sobre a oferta de crédito disponível, já que, há uma alta inadimplência do segmento que engloba pessoas com histórico de inadimplência e que, por conseqüência, podem oferecer menos garantia de pagamento -é o chamado crédito “subprime” (de segunda linha).

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email