Fábrica de látex vai produzir em Iranduba no 2º semestre

A partir de agosto a acreana Andrade e Ribeiro Indústria do Látex – Borracha da Floresta, vai iniciar o processo de contratação dos 60 funcionários que irão trabalhar na unidade fabril, em construção, no município de Iranduba (a 34 km de Manaus). Trata-se de uma usina de beneficiamento de borracha natural que vai fabricar GEB 1 (granulado escuro brasileiro), matéria-prima do pneu para a Neotec Indústria e Comércio de Pneus, pertencente ao grupo Levorin Pneus.
Fabricante de pneus para motocicletas e bicicletas, a Levorin Pneus deve começar a produção no Estado entre o fim de 2010 e o início do próximo ano. A empresa vai se instalar no quilômetro 23 da AM-010 (Manaus-Itacoatiara), cujas obras também estão em fase de implementação.
O proprietário da Andrade e Ribeiro Indústria do Látex, Osmar Serafim Andrade, confirmou na terça-feira, 30, já ter recebido parte do repasse de R$ 4,3 milhões da Afeam (Agência de Fomento do Estado do Amazonas). O financiamento (com 24 meses de carência e 72 meses de amortização) se deu por meio do Programa Zona Franca Verde, que fomenta a atividade extrativista e o setor primário no interior do Estado.
Trata-se de um crédito estímulo de 100%, repassado pelo governo do Estado, em 22 de fevereiro de 2010, para produzir borracha tipo GEB 1. O investimento total do projeto é de R$ 6,3 milhões, aprovado na última reunião do Codam (Conselho de Desenvolvimento do Amazonas), em 29 de dezembro de 2009. O restante do financiamento será desembolsado pela Andrade e Ribeiro Indústria do Látex – Borracha da Floresta.
Segundo Andrade, o aumento da produção de borracha no Amazonas e a vinda da Levorin Pneus, que está se instalando no polo de duas rodas do Parque Industrial de Manaus, o motivou a trazer sua empresa do Acre para o Amazonas. “Indiretamente, 2.000 famílias serão beneficiadas, podendo agregar até 10 mil num prazo de seis anos”, adiantou.
Conforme o empresário, a usina vai ser dotada para produzir 800 toneladas de borracha por mês, porém inicialmente serão beneficiadas 500 toneladas, adquiridas dos produtores regionais. “Com isso, será alavancada a produção da borracha no interior amazonense”, apostou.

Produção de 3.600 toneladas em 2012

Por ocasião da assinatura do convênio do crédito estímulo, o governador Eduardo Braga, disse que um importante passo socioeconômico estava sendo dado. Ao justificar a implementação da usina naquela região, o político lembrou da questão estratégica. “O local foi definido em função da construção da ponte sobre o Rio Negro e de um planejamento estratégico e urbano da Região Metropolitana de Manaus”, destacou, ressaltando que a meta é chegar a 2012 com uma produção em torno de 3.600 toneladas.
A superintendente da Suframa, Flávia Grosso, também está apostando no projeto da Levorin Pneus. A dirigente tem defendido que a ZFM (Zona Franca de Manaus) é um modelo sustentável e que as indústrias do PIM (Polo Industrial de Manaus) são de baixo impacto ambiental. Recentemente falou que “Na hora em que vier a fábrica de pneus pra cá, nós vamos utilizar matéria-prima regional. É um meio sustentável, porque o amazônida entra na floresta e apenas retira a seiva da árvore. E a árvore não é prejudicada”, frisou.

Demanda crescente

O presidente da ADS (Agência de Desenvolvimento Sustentável do Estado do Amazonas), Valdelino Cavalcanti, está apostando no projeto da Andrade e Ribeiro Indústria do Látex que, juntamente com a empresa Borracha do Amazonas, situada em Manicoré (a 333 km de Manaus), vão atender a demanda da Levorin. “As duas empresas vão garantir a comercialização do CVT (cernabi virgem prensado) dos produtores para produzir o GEB, matéria-prima dos pneus que serão fabricados pela Levorin em Manaus”, informou.
O CVT virá de produtores de borracha de Ipixuna, Eirunepé, Itamarati, Carauari, Fonte Boa, Boca do Acre, Pauini, Lábrea, Canutama, Manicoré, Borba, Humaitá e Itacoatiara. Cavalcanti informou que em 2003 a produção de borracha no Amazonas era de 200 toneladas e hoje está acima de 800 toneladas por safra. “Esse valor representa 10% do potencial de borracha extraída do Amazonas”, informou, ressaltando tratar-se de um projeto de reestruturação do setor primário.
Para a safra de 2010, Cavalcanti informou que o governo do Estado vai subsidiar R$ 1 para cada quilo de borracha comercializado, cujo valor na safra anterior era R$ 0,70. O dirigente informou que os programas dos governos federal e estadual têm proporcionado uma valorização da borracha através dos programas de subvenção que são coordenados no Estado pela ADS e pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), podendo o preço chegar a R$ 4,20 o quilo. “Isso tem estimulado o seringueiros a retornar para atividade, cujos seringais estavam abandonados pela falta de incentivos com a queda do preço de mercado”, informou.

Marca nacional

Conforme projeto da Neotec Indústria e Comércio de Pneus, aprovado no ano passado, a meta da Levorin é atingir a produção de 10 milhões de pneus para bicicletas e motos até 2012. Esses pneus irão abastecer as empresas do Polo de Duas Rodas de Manaus e de outras regiões brasileiras.
A marca Pneus Levorin representa 65 anos de história. Do início modesto em um pequeno galpão de 200 m² até hoje em dia, atuando em quatro áreas (pneus para motocicletas, bicicletas, industriais e reforma de pneus) no mercado brasileiro e internacional.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email