Exportações recuam no mês

As exportações do Estado registraram um leve recuo no mês de novembro. Com US$ 97.082.932 exportados, o mês apresentou um recuo de -3,52% em relação a igual período do ano passsado. Na comparação com outubro deste ano, o recuo foi de -13,85%. No entanto, os números não são suficientes para afetar o bom desempenho das exportações amazonenses em 2013. O crescimento se mantêm com 9,08% no acumulado dos 11 meses.
No ano, o Amazonas já exportou um total de US$ 982.436.597. Para o economista Francisco Mourão, o crescimento das exportações é motivado sobretudo por fatores externos. “O colapso econômico vivido pela Venezuela esá fazendo com que o país importe cada vez mais e com a proximidade geográfica é um mercado que está se tornando promissor”, destacou. A Venezuela apresenta crescimento de 61,06% nas exportações em 2013, sendo atualmente o segundo principal país importador de produtos da Zona Franca, correspondendo a 19,99% do total de exportações.
A primeira posição se mantém com a Argentina, responsável por 26,10% do total e que também apresentou um grande crescimento em 2013, com 18,83%. “O crescimento da Argentina está motivada pelas mudança que tivemos no Ministério da Economia que está gerando algumas facilitações. Mas é um mercado mais difícil de prever e o país costuma utilizar uma política econômica que busca reduzir importações, por isso é comum um revezamento entre aumento e diminuição nas exportações”, explica Mourão Jr.
Para o economista, a busca do mercado externo tem sido buscada pela Suframa e é uma alternativa para o faturamento da Zona Franca de Manaus voltar a ter crescimento. “A ZFM foi criada para o mercado interno, mas uma diversificação dessas vendas aumenta o leque de países e consumidores, consequentemente vai aumentar o número de empresas a se instalarem”.
O deficit da balança comercial também apresenta crescimento. As importações que alcançaram US$ 12.744.764.792 entre janeiro e novembro de 2012 já atingiram US$ 13.227.90, um crescimento de 3,79%. Na comparação entre novembro de 2013 com o mesmo mês de 2012 o crescimento foi de 10,95%. “O governo tenta controlar o deficit da balança, mas é uma característica do polo. As empresas não têm como conseguir seus insumos só no mercado nacional. O que tem que ser feito pelo governo e pela Suframa é buscar esses novos mercados para tentar compensar, aumentando as exportações como vem sendo feito”, ressalta.

Principais produtos

Os principais produtos exportados pelo PIM continuam sendo os concentrados para a elaboração de bebidas, com faturamento de US$ 280.397.796 em 2013, representando 28,54% do total do PIM e um crescimento de 52,46% em relação aos numeros obtidos em 2012. Mantendo a Recofarma como principal empresa exportadora com crescimento de 54,59%.
Completam a lista de produtos mais exportados as motocicletas correspondendo a 14,93%, com um crescimento de 1,35% em 2013. Os aparelhos de barbear não elétricos, correspondendo a 7,11% do total de exportações do PIM, com um recuo de -6,59% em 2013. A quarta posição é dos terminais portáteis de telefonia celular, que sofreram um recuo de 35% nos valores exportados, diminuindo pela metade sua participação nas exportações do PIM, caindo de 12% para 6,6%.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email