Exportações do AM cresce 37,02%

Estado vendeu ao exterior US$ 83 milhões e no mês anterior US$ 60,5 milhões

Os concentrados para a elaboração de bebidas, continuam sendo o principal item de exportação do Amazonas. De acordo com o gerente executivo do CIN/AM (Centro Internacional de Negócios do Amazonas), Marcelo Lima, o produto foi o grande responsável pela alta de 37,02% nas exportações do Estado em julho em comparação com o junho deste ano. Mês passado o Estado vendeu ao exterior US$ 83 milhões e no mês anterior US$ 60,5 milhões, o produto é negociado principalmente para a Venezuela e Colômbia. Mas, embora no em julho as exportações tenham avançadas, no acumulado do ano, as vendas externas ainda acumulam queda de 22,43%.
De acordo com os números da Balança Comercial amazonense em julho, divulgados nesta segunda-feira (10) pelo Mdic (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), no acumulado de janeiro a julho foram vendidos ao exterior o equivalente a US$ 163,1 milhões em preparações para a elaborações de bebidas, montante que representa um aumento de 36,16% em relação ao mesmo período do ano passado, quando o Estado exportou US$ 153 milhões do produto.
O gerente explica que, mesmo com a abertura de novos mercados pela indústria amazonense, os produtos manufaturados ainda não exerceram influência significativa no resultado final das exportações, o que contribuiu com o crescimento no resultado das vendas desta matéria prima.
“Os concentrados não estão sofrendo solução de continuidade. Estamos abrindo novos mercados, no entanto, essa abertura ainda não está surtindo efeito nos resultados da balança comercial. Os manufaturados quase não sofreram alterações. A tendência é de que, a partir de setembro, essas vendas comecem a melhorar em função dos pedidos que começarão a chegar nas fábricas para as festas de fim de ano”, explica Marcelo Lima.
Com isso, a empresa Recofarma Indústria do Amazonas Ltda. continua liderando as vendas amazonenses ao exterior, sendo responsável por mais de 35% de toda a exportação local.
Outro reflexo da venda expressiva de concentrados amazonenses, segundo Marcelo Lima, foi a condução da Venezuela como o principal parceiro comercial do Amazonas, respondendo por 26,29% das exportações locais. Segundo o Mdic, o total das compras venezuelanas no estado superou, nos primeiros sete meses, a quantia de US$ 118,5 milhões, o que representa um crescimento de 8,18% em relação ao mesmo período do ano passado. Os números venezuelanos superara, em julho, a tradicional Argentina, cuja as compras do Amazonas, principalmente de motocicletas, caíram 45% nos acumulado dos sete meses.
“Praticamente toda a produção da Recofarma vai para a Venezuela e Colômbia. Como tradicionalmente já somos exportadores deste produto para a Venezuela, a tendência é aumentar a exportação deste produto”, justificou.

Alemanha
Também chama a atenção, nos números do Mdic, o expressivo crescimento nas vendas amazonenses para a Alemanha: +154,28% em relação ao período de janeiro a julho de 2014. No entanto, Marcelo Lima esclarece que esse elevado incremento se deve à baixa base de comparação.
“Esse aumento, na realidade, é um valor muito pequeno. Quem exporta US$ 50 mil, por exemplo, e passa a exportar US$ 100 mil, registra um aumento de 100%, mas os valores não são expressivos no contexto geral”, explicou o gerente.
Nos primeiros sete meses do ano passado, as exportações amazonenses para o país – principalmente de minério de nióbio – somaram US$ 6,73 milhões, enquanto no último mês o montante foi de US$ 17,13 milhões.

Resultado geral
No total, a Balança Comercial amazonense fecho o mês de julho com saldo negativo de US$ 637,2 milhões, na comparação com julho de 2014, segundo os números do Mdic. As exportações no período registraram alta de 37,02% na mesma comparação, atingindo a marca de US$ 83 milhões arrecadados. Apesar disso, as importações também cresceram (+6,15%), com um total de US$ 720 milhões em insumos importados.

Lucas Câmara
[email protected]

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email