Exportações crescem na primeira quinzena de outubro, aponta estudo

Os dados quinzenais da balança comercial de outubro, divulgados na última segunda-feira pelo Mdic, indicam algumas mudanças nas tendências das exportações e importações observadas no mês anterior. Em setembro o grande destaque foi o crescimento das compras externas; no caso das vendas ao exterior, se excluirmos a exportação atípica de uma plataforma de exploração de petróleo, sua evolução foi moderada.

Nas duas primeiras semanas de outubro, os dados dessazonalizados mostram que as importações recuaram 4,7% em relação ao mês anterior, frente a uma queda de somente 1% das exportações. Se considerarmos a variação trimestral (trimestre encerrado em outubro em relação ao trimestre anterior), que constitui um indicador de tendência, as exportações cresceram 4,5% com relação à evolução de1,5% das importações. Desde dezembro de 2006, esse indicador não registrava uma taxa de expansão das vendas externas superior àquela das compras no exterior.

Diante dos resultados resumidos acima, é importante examinar de forma mais detalhada a performance das exportações na primeira quinzena de outubro. Para os dados quinzenais, o Mdic (Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio) divulga as exportações por classe de produto, bem como dos principais setores no período em questão (por exemplo, o setor de “açúcar”, que inclui açúcar em bruto, classificado como básico, e refinado, classificado como manufaturado), ao contrário das estatísticas mensais, que divulgam os principais produtos exportados (ou seja, as exportações de açúcar em bruto e de açúcar refinado).

A despeito dessas limitações das estatísticas quinzenais, é possível identificar os setores exportadores de commodities. Assim, além da análise das exportações por classe de produto, se examinará o desempenho do subgrupo de “commodities”. Isto porque, na classificação do MDIC, algumas commodities são classificadas como bens industrializados (semi-manufaturados ou manufaturados), o que pode levar à subestimação da sua importância na análise por classe de produto.

Vendas externas

Considerando as médias por dia útil dos dados não-dessazonalizados, as exportações cresceram na primeira quinzena de outubro 16,8% em relação ao mesmo mês do ano anterior, impulsionadas, principalmente, pelas vendas externas de produtos básicos. Estas vendas expandiram 38,1% (na mesma base de comparação), contribuindo com 66,3% para o crescimento do total. Em segundo lugar, aparecem os manufaturados, com variação de +8,6% e contribuição de +27,6%. Já as exportações de semi-manufaturados expandiram somente +3,1%, resultado bem inferior ao registrado nos meses precedentes.

Notar que no período janeiro a setembro (pelo mesmo critério, das médias por dia útil), os básicos também foram os líderes em termos de taxa de crescimento (+ 22,9%), seguidos pelos semi-manufaturados (+14,2%) e pelos manufaturados (+12, 3%). Porém, em termos da contribuição ao crescimento, os básicos e os manufaturados apresentaram desempenho semelhante (43,9% e 43,2%, respectivamente).

Assim, os resultados preliminares de outubro (que podem ou não serem confirmados pelas estatísticas mensais) indicam um aumento da importância das vendas externas de produtos básicos, associadas aos preços elevados de várias commodities no mercado internacional (principalmente, petróleo, carnes, soja e fumo), bem como à demanda asiática por esses produtos.

A importância das commodities para o maior dinamismo das exportações no período analisado fica ainda mais evidente na classificação adicional realizada (“commodities” versus “não-commodities”).

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email