Retrocessos e avanços fazem parte do caminho para a busca do sucesso individual, profissional e organizacional. Não podemos viver na ilusão que somente de sucessos chegamos e atingimos nossos objetivos. As metas são os controles necessários para buscarmos atingir o alvo. A preocupação maior é que a busca exagerada pode criar descontrole emocional e por em risco a razão necessária para o melhor equilíbrio dentro de um processo podendo criar um retrocesso extremamente prejudicial responsável pela existência de desvantagens desnecessárias para nova evolução como pessoa e profissional. As carências existênciais são várias, todavia, a mais preocupante é a do descaso existente para com o ser humano. Vivemos momentos históricos voltados para uma busca desenfreada de rentabilidade organizacional que acaba interferindo diretamente na vida das pessoas e dos profissionais.
É necessário que descruzemos os braços e arregacemos as mangas da camisa para iniciar um trabalho árduo de conscientização dentro de todos os processos existentes iniciando pela melhoria na gestão de pessoas e processos. Um não vive sem o outro. Caso haja harmonia nos atos praticados teremos um número maior de sucesso. O controle é a palavra e a meta chave para atingirmos o planejado. A razão e a emoção estarão sempre atuando sobre o ser humano e cabe a cada um observar o que pode ser feito para melhorar as organizações e criar formas mais humanas de gerenciamento nunca esquecendo a busca incessante do equilíbrio e da paz.
A busca exagerada da excelência nos leva a um abismo real. Não temos mais tempo para sonhar e elaborar nossa visão. Assim, vivemos a ilusão de que tudo deve ser muito real e nada imaginário. Estamos esquecendo do lado humano, isto em troca de metas e objetivos difíceis de serem atingidos, mais de busca continua e incessante chegando a ser insensato em alguns momentos. Esquecemos de buscar o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal criando situações de desgastes emocionais ocasionando o descontrole proporcional ao tamanho do afastamento do mundo real. Na verdade ocorre, muitas vezes, que nós estamos criando um mundo não real para as nossas limitações e realidades. Um mundo criado como normal em tudo o que ocorre chegando ao ponto de querermos decidir e mesmo impor situações para profissionais que afetam diretamente sua estrutura pessoal.
Certamente, muito podemos realizar para evitarmos exageros e carências, todavia, precisamos começar pela conscientização de analisarmos de modo crítico decisões tomadas por nós e pelos outros e buscar participação de modo ativo na história que estamos vivendo. Precisamos ser atores ativos de nossa realidade e acima de tudo precisamos criá-las com muita vontade, fé e domínio científico.
Devemos lembrar e buscar sempre uma administração voltada para as pessoas e em seguida para os processos, pois assim, teremos sucesso no resultado final.
Quando iniciamos pelo contrário tudo se torna mais difícil e de pior controle em todos os sentidos, o desequilíbrio e o retrocesso, neste caso, passam a ser uma realidade próxima.
As dificuldades normais sempre existiram, porém o fato é que precisamos substituir urgentemente o excesso de exagero pela ponderação, o descaso pela preocupação e assim reduzirmos consideravelmente nossa sensação de carência.

Flávio Guimarães é diretor da Guimarães Consultoria e Treinamento Empresarial e administrador de empresas.
E-mail:[email protected]

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email