1 de julho de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Estudo mostra custos elevados da praticagem em portos

O debate sobre a redução de custos nos portos brasileiros volta a ganhar evidência com a crise mundial

O debate sobre a redução de custos nos portos brasileiros volta a ganhar evidência com a crise mundial. A desaceleração econômica, que atinge terminais portuários e armadores, está contribuindo para reativar a polêmica sobre os preços cobrados pelos serviços de praticagem no Brasil. Os práticos são profissionais que auxiliam os comandantes dos navios a conduzir as embarcações em trechos restritos, caso da entrada e saída de portos.
Trabalho elaborado pelo CEGN (Centro de Estudos em Gestão Naval), ligado à Escola Politécnica da USP (Universidade de São Paulo), concluiu que os preços cobrados pela praticagem nos principais portos brasileiros “estão elevados e reduções são possíveis”. Os práticos, via Conapra (Conselho Nacional de Praticagem), discordam da avaliação de que o preço cobrado é caro e indicam falhas de metodologia no estudo do CEGN.
Os autores do estudo, concluído ano passado e elaborado a pedido da SEP (Secretaria Especial de Portos), a quem já foi apresentado, reconhecem que o levantamento precisaria de abordagem complementar. Ela teria de considerar aspectos operacionais e estrutura de receitas, custos e despesas das associações de praticagem, responsáveis pela prestação do serviço no país.
O modelo brasileiro é o do serviço público prestado pelo setor privado em regime de “monopólio regulado”. Mas existem outros modelos no mundo. A atividade também pode ser prestada pelo setor privado em modelo aberto à livre iniciativa ou ser um serviço público prestado pelo Estado.
No trabalho do CEGN, os autores concluem que uma “mudança radical” do modelo de praticagem no Brasil, baseado no serviço prestado pelas associações privadas, não parece necessária. Mas indicam: “Estruturas semelhantes, mas com divisão de responsabilidades entre uma autoridade marítima que regula a segurança, e outra que regula o mercado, parecem oportunas. Uma alternativa pode ser a criação de uma comissão multipartite que discuta e acorde preços sempre com base em transparência. Hoje não existe um processo de fixação de preços por uma autoridade de praticagem, com julgamento independente (…)” escreveram os autores.
No trabalho, eles fazem um chamado para que todos os elos da cadeia logística façam um esforço para aumentar a competitividade. Cálculos elaborados indicam que as tarifas da praticagem em Santos (SP) e no trecho entre Fazendinha e Itacoatiara, no Rio Amazonas, poderiam ser reduzidas entre 54% e 37%, respectivamente. Como resultado, os custos dos serviços portuários totais médios por contêiner cairiam em cerca de 8%. Os valores se apoiam em receita hipotética com base em valores de tabela.
Otávio Fragoso, diretor do Conapra, discorda das conclusões do estudo em relação à regulação de preços e aos valores cobrados. Hoje os preços da praticagem no Brasil são negociados entre as associações e os armadores (atualmente há negociações em curso para fixar preços por períodos de um a dois anos). Caso não haja acordo, cabe à Marinha do Brasil intervir fixando os preços. É a Marinha a responsável por regular a praticagem no Brasil.
Segundo o trabalho, a resolução de conflitos por parte da autoridade portuária não tem sido utilizada. “Dado que os conflitos decerto existem, é crucial que exista um mecanismo isento nas decisões e de fácil acesso às partes”, diz o trabalho. Fragoso rebate: “Não há qualquer fato que justifique o envolvimento de mais um órgão no gerenciamento da praticagem no Brasil.”
Fragoso também é crítico em relação à afirmação do estudo de que os preços cobrados no Brasil são altos. Segundo ele, dos 32 portos internacionais considerados, 13 estão na Austrália, que não serviria como referência para o comércio marítimo brasileiro. Ele afirma ainda que 56% da amostra de portos considerada têm características de serviço estatal ou de infraestrutura mantida pelo governo, com fortes subsídios do Estado. “Os únicos portos australianos comparáveis ao modelo nacional, Sidney e Melbourne, têm preços superiores a quase todos os (portos) brasileiros”.
O diretor do Conapra considera que os preços dos serviços de praticagem no Brasil são compatíveis com os praticados em países com estrutura de serviços semelhantes. “O foco do Custo Brasil não está no setor de praticagem, mas em outras áreas dentro da esfera da SEP”, disse o dirigente. Segundo ele, a discussão é política. A SEP não quis comentar a declaração do Conapra, mas disse, por meio da assessoria, que o tema vem sendo discutido com a Marinha e que é interesse da Secretaria baratear todos os custos da cadeia logística.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email