29 de junho de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Esses 9 bilhões de dólares devem ir direto para o CPF do caboclo que preservou a floresta

Quando vejo o pedido de bilhões para preservar a floresta a primeira coisa que me vem a cabeça é acabar definitivamente com esse valor de miséria que é pago há quase 15 anos por “serviços ambientais” aos nossos caboclos que preservaram a floresta. Esse valor depõe contra o valioso serviço ambiental que nosso caboclo, ribeirinho, indígena, quilombola, pescador, manejador prestam ao mundo. Esse bolsa floresta nasceu em 2007 (quase 15 anos com o valor de R$ 50,00, e mais recentemente passou para R$ 100 reais. Foram quase 15 anos de bolsa floresta de R$ 50 reais. Se o governador Wilson Lima tivesse me perguntado, teria dito para acabar com o bolsa floresta, e só começaria a pagar os “serviços ambientais” com um valor digno bancado pelo mundo. Falei valor digno, e não 50 ou 100 reais. Isso é inaceitável! Nós mesmos diminuindo a importância dos serviços ambientais prestados pelo nosso caboclo. Até que o novo nome melhorou, Guardiões da Floresta, mas nem precisava criar novo nome, o pagamento, com tantos milhões ao longo de 15 anos, incluindo o Fundo Amazônia, e agora mais 9 bilhões de dólares, devem ir direto para o CPF do caboclo (os governos federal, estadual e municipal já sabem quem são) com o nome “serviços ambientais prestados ao mundo“. Nossa floresta é comentada em todo o planeta pela sua importância, mas pagar 50 reais por esse serviço por longos anos é brincadeira. Esse valor pago passa ao mundo a imagem de que esse serviço que nossos caboclos prestam não tem importância. Ou será que a intenção dos R$ 50 era captar mais recursos em todos esses 15 anos? Se captou, foi para onde, já que o valor permaneceu até dias atrás. Paguem nosso caboclo direto no CPF deles, sem intermediários privados, pois os governos já sabem quem são, e o TCU e CGU acompanham a aplicação. Já chega de consultoria, seminários, GT´s, Congressos que levaram o governo Wilson Lima a receber a “compensa” com metade do Amazonas passando fome com toda essa riqueza da floresta e com os milhões do Fundo Amazônia. Não tem melhor transparência de recurso financeiro se ele for depositado direto na conta do homem que preservou a floresta. Com o dinheiro no bolso, ele procura a melhor saúde, educação e segurança pra família dele. Vem na capital conhecer o Shopping e tomar um café, conhecer o Brasil e o mundo. Hoje, só as lideranças tem esse privilégio. Só um exemplo, tem mais de um milhão de reais pendentes da subvenção federal aos manejadores do pirarucu por falta de recurso. A Conab tem o CPF de todos, é pagar direto. Pergunto: quem ainda tá lutando por esse pagamento? Qual liderança política e ambiental? Enquanto não pararem de pagar essa miséria de bolsa floresta/guardiões da floresta e captar recursos para fazer consultorias, reuniões, seminários e GT´s e fazer projetos que colocam apenas valores que eu considero de miséria no bolso do nosso caboclo a pobreza não muda no interior e nem segura o desmatamento. Lembrando que nosso estado está com 97% preservado, não tá pegando fogo, como mostrou o site da SEMA, em foto, alguns meses atrás. Aliás, uma propaganda altamente negativa do nosso estado verde ao mundo. Sem falar do tobogã de pirarucu também divulgado pela SEMA (que coisa horrível). Outra propaganda negativa. Depois não sabem a razão do nosso turismo rural não evoluir. Peguem a renda de um manejador do pirarucu e dividam por 12 meses. Façam esse cálculo, acrescente os 50 reais e vá viver com eles 12 meses.

O secretário de meio ambiente que idealizou o bolsa floresta, e o atual secretário de meio ambiente que deve ter sugerido a mudança de nome para Guardiões da Floresta (até gostei, mas não é de novo nome que o programa precisa, mas de valor compatível com o serviço ambiental que ele presta ao mundo) ambos têm origem na FAS (Fundação Amazônia Sustentável). Penso que já deram sua contribuição ao Estado, quero ver alguém da UFAM e da UEA, mentalidade nova, aparecendo em foto no trator do sul do Amazonas e não somente na canoa do manejador que nem o preço mínimo recebeu, tocando essa pasta ambiental. Nada contra quem vem de fora, mas precisamos testar um amazonense na área ambiental do estado. Quem sabe nos próximos 20 anos teremos a floresta em pé, mas o homem também, bem remunerado, com “serviços ambientais” pagos em dólar/euro e um valor bem alto, jamais 50 reais. Afinal, somos ou não importante para a saúde de todo o planeta? Nem a PGPMBio (política federal que tem a nossa cara) anda por aqui. Uma vergonha, direito do extrativista. Peçam os números do governo federal. É preciso rever tudo que foi feito, pois o interior tá empobrecido, entregue ao narcotráfico, drogas e a prostituição. Na minha opinião, é fortalecer os órgãos públicos com os recursos que receberemos e pagamentos direto no CPF do caboclo. Admito o uso desse recurso para novas tecnologias, satélites, caso ainda não tenhamos, mas penso que já tem. Aí a CGU e MPF acompanham. Se preservar o HOMEM a floresta fica preservada automaticamente, sem intermediários privados, apenas fortalecendo as instituições públicas de execução e fiscalização.

24.05.2022

Thomaz Antonio Perez da Silva Meirelles, servidor público federal aposentado, administrador, especialização na gestão da informação ao agronegócio. E-mail: [email protected] 

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email