3 de julho de 2022
Prancheta 2@3x (1)

Especialistas explicam o que muda com despacho gratuito de bagagem

O Senado aprovou nesta terça-feira (17), por 53 votos a 16, a volta do despacho gratuito de uma bagagem por passageiro em voos nacionais e internacionais. Com validade até 1º de junho, a MP (Medida Provisória) 1.089/21 segue para a Câmara. Se aprovada, vai para sanção ou veto do presidente Jair Bolsonaro (PL), que defende o modelo atual.

Hoje, a cobrança para despachar bagagens de até 23 kg em voos nacionais, iniciada em 2017, pode significar um acréscimo entre R$ 90 e R$ 350 por trecho, a depender da companhia aérea e do destino.

Para especialistas e fontes do setor, a volta do despacho gratuito deve afastar ainda mais empresas low cost (que vendem passagens mais baratas) do mercado brasileiro. Também é esperado que as companhias aéreas deixem de comercializar passagens com tarifas mais econômicas, utilizadas por quem viaja apenas com mala de mão.

Como a proposta ainda não está valendo na prática, empresas e representantes do setor não informam suas estimativas de impacto nos preços.

“Cada empresa vai avaliar e se posicionar quando isso [gratuidade] virar um fato. Vale lembrar que não existe bagagem gratuita, pois todos os passageiros vão ter de pagar essa conta. Era assim que funcionava anteriormente: o custo do despacho de bagagem era diluído em todos os bilhetes”, afirma o presidente da Abear (Associação Brasileira de Empresas Aéreas), Eduardo Sanovicz.

Cada companhia aérea define o valor cobrado para despachar a mala. Caso seja preciso despachar mais de uma bagagem ou ela ultrapasse o peso liberado, elas podem cobrar ainda pelo volume extra a ser transportado.

Se o texto aprovado pelo Senado virar lei, somente o volume extra será cobrado em separado.

A expectativa do setor em 2017 era manter a queda no valor das tarifas que se verificava desde 2003, mas a alta do câmbio e do querosene inverteu o movimento nos últimos anos.

Segundo dados do IBGE, as passagens aéreas subiram 9,4% em abril, enquanto o IPCA, principal índice de inflação, acumula alta em 2022 de 4,29%. Com a alta do dólar e do combustível da aviação, a passagem aérea ficar mais cara com ou sem a exigência da bagagem gratuita.

Sanovicz afirma que as companhias aéreas seguem lidando com a alta do preço do querosene de aviação (QAV), pressionada pelo aumento da cotação do barril de petróleo, por causa da guerra da Ucrânia. Outra preocupação do setor é a cotação do dólar em relação ao real. De acordo com a Abear, 50% dos custos do setor são dolarizados.

A volta da franquia obrigatória do despacho de bagagem deverá afastar o interesse das empresas low cost (de baixo custo) de operar no Brasil. O conceito apareceu nos Estados Unidos no final da década de 1970, após a liberalização do setor, e é famoso na Europa desde os anos 1990.

Para conseguir tarifas mais baixas do que as companhias tradicionais, as low cost cobram pelo transporte de bagagem e pela marcação de assento.

Quando o Brasil anunciou a implementação da cobrança pela franquia de despacho de bagagens, ao menos oito empresas estrangeiras, sendo sete delas low cost, demonstraram interesse em operar no país. Os planos foram adiados pela pandemia.

“Com o retorno da franquia, talvez elas não voltem”, afirma o presidente da Abear.

COMO FUNCIONA A COBRANÇA HOJE

– Passageiros podem carregar gratuitamente uma bagagem de mão de até 10 quilos

– Para levar malas maiores, é preciso pagar uma taxa que atualmente varia em torno de R$ 100 nas principais companhias brasileiras

– As companhias são obrigadas a deixar claro o valor da cobrança

COMO PODE FICAR

Passageiros poderão despachar bagagens de até 23 quilos em voos nacionais e até 30 quilos em voos internacionais, sem cobrança

No Código de Defesa do Consumidor será haverá um dispositivo que proíbe as companhias aéreas de cobrarem taxas por esse despacho

*

CUSTO PARA DESPACHAR A 1ª BAGAGEM DE ATÉ 23 KG EM VOOS NACIONAIS*

*Valores de 12 de maio de 2022, segundo as companhias aéreas

Companhia; Antecipado; No dia do embarque; Volume extra

Latam; R$ 95 a R$ 120; R$ 120 a R$ 160; R$ 175 (entre 23 kg e 32 kg) e R$ 350 (de 32 kg a 45 kg)

Gol; R$ 95; R$ 140; R$ 35 (por quilo a mais)

Azul; R$ 90 (site, app e Azul Center); R$ 140 (no aeroporto); R$ 120 a R$ 160 (no aeroporto)

CUSTO PARA DESPACHAR A 1ª BAGAGEM DE ATÉ 23 KG EM VOOS INTERNACIONAIS*

Companhia; Antecipado; No dia do embarque; Volume extra

Latam; US$ 100 a US$ 200 (América Latina) e US$ 30 a US$ 70 (outros países); US$ 80 a US$ 120 (outros países); US$ 100 a US$ 200 (América Latina) e US$ 100 (outros países)

Gol; R$ 199; R$ 299; R$ 50 (por quilo a mais)

Azul; US$ 20 (América do Sul) e US$ 50 (EUA e Europa); US$ 30 (América do Sul) e US$ 100 (EUA e Europa); US$ 40 a US$ 60 (mala até 23 kg para a América Latina) e US$ 100 a US$ 150 (EUA e Europa)

CONFIRA O VALOR MÉDIO DA TARIFA DOMÉSTICA NOS ÚLTIMOS 10 ANOS

Ano; Valor (em R$)

2012; 508,66

2013; 532,22

2014; 508,39

2015; 462,71

2016; 454,14

2017; 451,51

2018; 455,3

2019; 491,67

2020; 420,59

2021; 501,69

2022 (até março); 487,58

Fontes: Azul, Gol, Latam e Anac (Agência Nacional de Aviação Civil)

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Anúncio

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Siga-nos

Notícias Recentes

JC Play

Podcast

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email