Especialistas advertem sobre segurança da informação

Desconfiar sempre e ter precaução. Estes são os princípios a serem adotados pelo internauta que deseja manter os seus dados e informações seguras durante a navegação na web, em redes sociais. É o que indicam especialistas da área de Tecnologia da Informação da empresa Prodam (Processamento de Dados Amazonas S/A ), órgão do governo do Estado.
Cerca de 15% dos vírus que entram nas empresas são transmitidos através de redes sociais, conforme afirma a gerente de Segurança da Informação da Prodam, Lilian Gibson. Segundo ela, os indicadores demonstram a falta de cuidado do usuário durante a navegação em sites como facebook e twitter. “Clicar em links desconhecidos, trocar informações pessoais em um ambiente em que muitas pessoas podem visualizar esses dados é um risco muito grande para o usuário e para a empresa onde ele trabalha, caso o acesso esteja sendo feito no ambiente institucional”, adverte.
A especialista afirma que a falta de atenção do usuário pode facilitar o acesso de terceiros a dados pessoais como números de cartão de crédito, de débito, inclusive, com senhas, através de sistemas ilegais implantados no computador ou no dispositivo móvel –telefones com acesso à internet, Ipads e outros tipos de tablets.
De acordo com o assistente militar da Coordenação Geral de Gestão de Segurança da Informação do Gabinete Institucional da Presidência da República, Alcimar Sanches Rangel, um dos principais agravantes para vulnerabilidade nas redes é a ingenuidade dos usuários. Segundo ele, a Coordenação Geral registra mais de 2 mil tentativas de invasão, por hora, nos sites de órgãos vinculados ao governo federal. “As pessoas não têm ideia de como isso é comum e sério”, afirma. Importante lembrar, diz ele, que no caso de vazamento de dados sigilosos da organização, o funcionário pode responder administrativamente e também na esfera penal.
O especialista observa que o órgão analisa 200 novos malwares, por mês. Malwares são programas destinados a se infiltrar em um sistema de computador de forma ilícita, com o objetivo de causar dano ou roubo de informações. Apenas neste ano, o órgão já registrou 5 milhões de incidentes de rede.

POR DENTRO

DICAS DO ESPECIALISTA – Evitar falar de assuntos de trabalho em ambientes públicos; memorizar senhas ao invés de anotá-las; não utilizar datas de aniversários ou nomes de parentes para compor senhas; jamais compartilhá-las com outras pessoas; não abrir e-mails de destinatários desconhecidos; em caso de dúvida, se abri-los, não clicar em links ou anexos da mensagem; desligar o computador sempre que se ausentar do local; não passar informações pessoais por telefone, por e-mail, a pessoas desconhecidas; entre outras medidas.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email