25 de junho de 2022

Eros Grau comunica renúncia ao cargo de ministro do TSE

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Carlos Ayres, recebeu na terça-feira, 5, documento em que o ministro Eros Grau renuncia ao cargo de ministro efetivo da Corte

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Carlos Ayres, recebeu na terça-feira, 5, documento em que o ministro Eros Grau renuncia ao cargo de ministro efetivo da Corte.
Em carta encaminhada aos servidores de seu gabinete no TSE, o ministro Eros Grau afirmou: “passou o meu tempo no TSE. O Supremo me absorve. Estou convencido de que não posso dividir a minha fidelidade a ele com outro tribunal”. Disse também que deixa o cargo seguro de que cumpriu o seu dever com dignidade e corretamente e, por isso, sai com tranqüilidade.
A cadeira dele será ocupada, provisoriamente, pela ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha, que é substituta pelo STF (Supremo ­Tribunal Federal).
O ministro Ayres Britto comunicou a renúncia do ministro Eros Grau na abertura da sessão plenária de ontem e registrou em nome do tribunal o agradecimento pela “contribuição que o ministro Eros Grau emprestou aos nossos trabalhos com a sua experiência e o seu preparo reconhecido de jurista”.
O ministro Ricardo Lewandowski disse que recebe com pesar a notícia do afastamento e lembrou que Eros Grau também acabou de se aposentar da Faculdade de Direito da USP (Universidade de São Paulo) “depois de uma longa e profícua carreira acadêmica”. Agradeceu pelos relevantes serviços que ele prestou à Corte.
O procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, representando o Ministério Público Eleitoral, também lamentou a renúncia, mas ressaltou que o ministro Eros Grau certamente refletiu antes de tomar a decisão e que todos devem respeitar. Assim, parabenizou o ministro por sua participação marcante no TSE que com “extrema dedicação exerceu o seu mister nesta Corte e sua passagem ficará marcada”.
Em nome dos advogados que atuam no TSE, o advogado Fernando Neves se referiu ao ministro Eros Grau como um magnífico exemplo de magistrado, sempre atento e principalmente atento com os advogados que recebeu em seu gabinete com paciência de ouvir cada um deles. “Fica aqui o registro da solidariedade”, disse.

Formação acadêmica

Eros Grau tomou posse como ministro efetivo do TSE no dia 15 de maio de 2008 no lugar do ministro Marco Aurélio, que deixou o Tribunal depois de exercer a Presidência por dois anos. Ele é gaúcho da cidade de Santa Maria, mas viveu nos Estados do Mato Grosso e do Rio Grande do Norte. Doutor em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, tornou-se livre docente e professor titular do Departamento de Direito Econômico e Financeiro da Faculdade de Direito ­daquela universidade.

Carreira internacional

No exterior, foi professor visitante da Faculté de Droit da Université Paris 1 (Panthéon-Sorbonne) durante o ano letivo de 2003-2004 e da Faculté de Droit da Université de Montpellier durante os anos letivos de 1996-1997 e 1997-1998. Exerceu a advocacia em São Paulo de 1963 até junho de 2004, quando foi nomeado ministro do STF pelo presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva.

Qual sua opinião? Deixe seu comentário

Gostou do Conteúdo? Assine nossa Newsletter

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email